SURFE NORDESTE
seu site de surfe
SURF EM DIA
Mande seu recado
GALERIA
Gata Surfe Nordeste
SÉCULO 20
ESPECIAIS
Contatos
Internautas
surfe historias
ARQUIVOS 2014
SURF EM DIA

 






Pernambuco, a terra dos altos coqueiros.

 



 PATROCINADORES

















          

                                                                       

  


   


                                                    



        
  


A RÁDIO DO SURF - MUITA MÚSICA , ENTREVISTAS E MUITA INFORMAÇÃO
-------------------------------------------------------------------------------------------------



PREVISÃO DE ONDAS.
acesse sua praia antes de ir ao Surf, veja os mapas
animados, o vento e o tamanho das ondas. Tudo bem
fácil e com alta tecnologia.








  


DOMINGO 30 DE AGOSTO 2015

CAJÁ SOLTA O BLOCO EM OLINDA



O local de Porto de Galinhas Osvaldo Cajá foi o Campeão do Olindense de Surf 2015 troféu Gabriel Medina finalizado a pouco na praia do Zé Pequeno.Ele travou uma disputa boa com o Deyvison Santos . Tiago Silva eJúlio Pereira que também fez e venceu a final Máster. Cajá já conhece muito a vala do Zé Pequeno e isso foi fundamental para o atual campeão pernambucano open não deixar que sua faixa fosse carimbada.O local do Xaréu Deyvison Santos começou acelerado e se encontrando com as ondas que apareceram no domingo e foi o maior adversário do Cajá finalizando em segundo com 13,83 contra os 15 pontos do Cajá. Em terceiro ficou o Tiago Silva que demorou um pouco a encontrar as suas ondas e finalizou com 10,77. Em quarto ficou o local Júlio Pereira que sentiu fazer duas finais e acabou com apenas 8,90 no somatório.

Na saída do mar Cajá falou da alegria e satisfação de vencer uma etapa muito disputada e falou que o troféu vai ficar em destaque na sua casa.

Na categoria Master vitória do local Júlio Pereira que disputou a final contra seu irmão Fernando Pereira que ficou em terceiro,contra o vice campeão brasileiro Pedro Dos Santos Lima que ficou em segundo e com o Gustavo Henrique Dâmaso em quarto.

No Feminino vitoria da Natália Malta carimbando a faixa da tricampeã Ramayana Silveira que ficou em segundo, Ana Karolina foi terceira com Juh Nativa em quarto e Marília Lacerda machucada ficou em quinto.

Na Iniciante vitoria do local de Gaíbu Alex Silva que carimbou a faixa do campeão pernambucano Lucas Lisboa que ficou em segundo , José Claudio foi terceiro e o Maic Santiago foi quarto.

O evento foi uma festa completa com a equipe da ASO comandada pelo Thalis Odylani dando um show de organização fazendo toda a programação funcionar no modo normal com os atletas e patrocinadores vibrando com a realização do evento. Com a utilização do sistema de notas surfcore o evento ganhou em qualidade e credibilidade homologado pela Federação Pernambucana de Surf.

Outro ponto positivo foi o publico olindense que sempre da um show prestigiando o palco do Zé Pequeno,torcendo, aplaudindo e incentivando durante todas as baterias.Com certeza esse evento abriu novas portas e perspectivas para se concretizar em 2016 o circuito com 03 etapas e estimular cada vez mais os atletas de Olinda.

Parabéns a ASO, Davi Moreira da MOREIRA MODAS, João da ARGO, BLUESUN energia solar , SecretPoint Surf e a Prefeitura de Olinda pela iniciativa de produzir esse grande evento.Agradecer também a todos os que apoiaram e contribuíram com a organização, divulgação e energia positiva para que o Olindense de Surf 2015 fosse esse sucesso total. VIVA OLINDA

 

clique e veja imagens do Olindense 2015


sábado 29 de agosto 2015

OLINDENSE COMEÇA BOMBANDO.



O atual Campeão Brasileiro Mirim,Cauã Costa, competiu no sábado em Olinda correndo a Open.

A ASO deu início nesse sábado ao Olindense de Surf 2015 com as categorias Open e Máster. Na categoria open tivemos a maior quantidade de inscritos por isso só aconteceu a primeira fase. Boas disputas envolveram atletas de vários picos do estado que teve a presença do atual campeão pernambucano open Osvaldo Cajá local de Porto.Na Master presença do vice campeão brasileiro Pedro Lima que travou mais uma bateria com o Roberto Pino dessa vez levando a melhor com o Pino em segundo, os dois avançaram as semi finais.Como sempre um clima de alto astral nos eventos da cidade patrimônio da humanidade com os atletas interagindo com o grande publico presente na praia do Zé Pequeno.O número de inscritos para as 04 categorias foi 60 atletas deixando algumas pessoas de fora devido ao cronograma muito apertado para realização de mais baterias.Muita satisfação também por parte dos patrocinadores vibrando com o excelente trabalho realizado pelo Presidente da ASO Thalis Odilany e sua equipe que fizeram o evento acontecer redondo sem nenhuma ocorrência. Parabéns a todos os envolvidos nessa grande festa e vamos aproveitar o domingo para vibrar com o show de Surf que começa ao meio dia.

A ASO deu início nesse sábado ao Olindense de Surf 2015 com as categorias Open e Máster. Na categoria open tivemos a...

Posted by surfe nordeste on Sábado, 29 de agosto de 2015




TERÇA FEIRA 25 DE AGOSTO 2015

FLORES VENCE NO TAHITI.

O campeão mundial Gabriel Medina, 21 anos, chegou perto do bicampeonato no Billabong Pro Tahiti, mas o francês Jeremy Flores, 27, começou bem a bateria final com um tubaço nota 9,87 e depois não vieram mais ondas tão boas no mar irregular de Teahupoo para o brasileiro conseguir o segundo título consecutivo na bancada mais temida do Samsung Galaxy World Surf League Championhship Tour. Antes, Medina já havia garantido a ponta do Jeep Leaderboard para Adriano de Souza, 28, quando barrou Owen Wright, 25, nas semifinais, com o australiano dividindo o terceiro lugar com o americano C. J. Hobgood, 36. Os 8.000 pontos do vice-campeonato o levaram da 15.a para a décima posição no ranking, enquanto o novo campeão nos tubos de Teahupoo saltou do 12.o para o sétimo lugar e faturou o prêmio máximo de 100 mil dólares pela sua segunda vitória da carreira no WCT.

“O Gabriel (Medina) é um cara muito tático, então eu pensei em jogar o seu jogo. Ele é muito agressivo na água, então eu quis ser mais agressivo ainda, mas tiremos o chapéu para ele, porque ele surfou de forma incrível o evento todo e essa foi definitivamente uma das baterias mais difíceis”, disse Jeremy Flores. “Aquele 9,87 no começo da final foi importante para mim. Eu estava sentado lá fora, nervoso à espera de ondas, e pensei que mesmo se perdesse, seria o cara mais sortudo do mundo por estar ali, então apenas tentei manter a calma”.

Jeremy Flores (Foto: Steve Robertson / WSL)
Jeremy Flores (Foto: Steve Robertson / WSL)

Teahupoo é traduzida como a praia dos crânios quebrados e Jeremy Flores competiu usando um capacete para se proteger da perigosa bancada que produz os tubos mais espetaculares do mundo. Isto porque ele teve uma lesão na cabeça durante uma sessão de freesurf na Indonésia, que o impediu de competir na etapa sul-africana em Jeffreys Bay. E as condições estavam difíceis na terça-feira em Teahupoo, com ventos fortes afetando a formação das ondas de 4-6 pés e longos intervalos entre as séries fazendo com que poucas entrassem nas baterias.

Medina vinha sempre pegando bons tubos no caminho até a sua segunda final seguida na etapa mais desafiadora da World Surf League, não dando qualquer chance para os dois australianos que enfrentou no último dia em Teahupoo. No entanto, justamente na decisão do título, faltou onda para o campeão mundial e Jeremy Flores surfou o melhor tubo da bateria para merecer a vitória e entrar na briga do título mundial na reta final da temporada, Ele passa a ter chance matemática de liderar o ranking na próxima etapa, o Hurley Pro Trestles de 09 a 20 de setembro em San Clemente, na Califórnia, Estados Unidos.

“Nos últimos anos eu não consegui os resultados que queria, mas porque eu não estava me divertindo mais”, analisa o francês, que só tinha vencido o Billabong Pipe Masters de 2010 no Havaí. “O surfe é o esporte mais maravilhoso do mundo, então se você não se diverte surfando, algo está errado. Eu tive realmente que recomeçar e mudar minha mentalidade. Fiz isso por estar perto da minha família e dos meus entes queridos. É por causa deles que voltei a ter a fome que costumava ter antes. Este ano estou indo para vencer e, se não acontecer, tudo bem”.

O francês já começou a bateria final pegando um tubaço incrível, ficando muito profundo para ressurgir no spray e largar na frente com nota 9,87. Dois dos cinco juízes deram 10 para ele. Medina falhou nas duas primeiras tentativas e o mar deu uma parada. O brasileiro só pegou sua terceira onda depois de quase 20 minutos, mas o tubo não rodou. Na onda seguinte sim, para Jeremy Flores, que se encaixa de backside para tirar nota 7,00. A série ainda rendeu mais uma onda para Medina finalmente pegar o seu primeiro tubo e ganhar 7,17 para se manter na briga do título. Mas, ainda precisava de uma onda quase perfeita como a do francês no início da bateria.

As séries continuavam demorando a entrar, o tempo ia passando naquelas difíceis condições e Medina querendo uma chance para tentar a nota acima de 9,70 para repetir a vitória conquistada sobre Kelly Slater no mar épico do ano passado em Teahupoo. Ele ainda pega outro tubo, porém a onda não tinha potencial e só rendeu 6,03. Depois não entrou nenhuma outra onda boa, a bateria acabou e a vitória de Jeremy Flores foi confirmada por 16,87 a 13,20 pontos.

Gabriel Medina (Foto: Steve Robertson / WSL)
Gabriel Medina (Foto: Steve Robertson / WSL)

“Eu acho que cometi um erro no início da bateria, em deixar o Jeremy (Flores) ter a prioridade (de escolha da próxima onda) para pegar aquele tubo”, disse Gabriel Medina. “O oceano ficou muito devagar e eu não consegui encontrar as notas que precisava. Mesmo assim, estou feliz pelo segundo lugar e também pelo Jeremy, especialmente após a sua lesão. Estou muito feliz por estar de volta ao pódio também e só gostaria que tivéssemos mais ondas na final, mas estou feliz com o resultado e por fazer outra final aqui no Taiti”.

Para chegar na decisão do título do Billabong Pro Tahiti pelo segundo ano consecutivo, Medina atropelou os dois australianos que enfrentou na terça-feira, surfando ótimos tubos em Teahupoo contra Owen Wright e Kai Otton. A primeira vítima foi Kai Otton, que tinha barrado o wildcard Bruno Santos na rodada que abriu o último dia na Polinésia Francesa. Depois, aplicou uma “combination” de 16,63 pontos em Owen Wright, que assumiria a ponta no Jeep Leaderboard da World Surf League se passasse para a grande final.

JEEP LEADERBOARD – Deu tudo certo mais uma vez para Adriano de Souza, que parece estar mesmo com a estrela de campeão esse ano. Na etapa passada, a vitória na África do Sul valia a liderança do ranking para Mick Fanning ou Julian Wilson, mas apareceram os tubarões para cancelar a bateria e Mineirinho permaneceu na frente. No Taiti, perdeu ainda na terceira fase para o wildcard Bruno Santos e quatro poderiam ultrapassa-lo. Fanning só precisava ganhar o duelo seguinte ao dele, mas foi batido pelo basco Aritz Aranburu. Julian também pegaria o primeiro lugar de Mineirinho se vencesse a bateria que fechou a terceira fase e perdeu a chance para C. J. Hobgood, que foi um dos destaques do evento e recebeu o prêmio especial em homenagem ao tricampeão mundial Andy Irons.

Dois surfistas ainda ameaçavam Adriano de Souza quando a terça-feira começou em Teahupoo. Filipe Toledo precisava chegar nas semifinais, só que não conseguiu pegar nenhuma onda no duelo brasileiro com Italo Ferreira pela quinta fase, que abriu o último dia do Billabong Pro Tahiti. Sobrou Owen Wright, que pegaria a lycra amarela de Mineirinho se vencesse mais uma bateria, mas Medina manteve o brasileiro na dianteira da corrida do título mundial. Só que a disputa ficou ainda mais acirrada e na próxima etapa, em Trestles, a briga pela ponta vai envolver os sete primeiros colocados no ranking, incluindo Kelly Slater e Jeremy Flores, que não tinham chances matemáticas no Taiti.

Jeremy Flores campeão do Billabong Pro Tahiti Gabriel Medina (Foto: Steve Robertson / WSL)
Jeremy Flores campeão do Billabong Pro Tahiti (Foto: Steve Robertson / WSL)

BRASIL NOS PÓDIOS – O vice-campeonato de Gabriel Medina no Billabong Pro Tahiti confirmou a boa temporada dos brasileiros na divisão de elite da World Surf League. A bandeira verde-amarela esteve no pódio em cinco das sete etapas, com 2015 começando com a vitória de Filipe Toledo sobre Julian Wilson no Quiksilver Pro Gold Coast. Depois, Adriano de Souza só perdeu no desempate a decisão do Rip Curl Pro Bells Beach para Mick Fanning, mas venceu o Drug Aware Margaret River Pro que fechou a perna australiana para assumir a ponta do ranking e não largar mais a lycra amarela do Jeep Leaderboard até agora.

Mineirinho estreou com ela na etapa brasileira da World Surf League, que foi encerrada com Filipe Toledo ganhando o Oi Rio Pro diante de uma multidão que lotou as areias do Postinho da Barra da Tijuca. Depois vieram duas finais australianas e Owen Wright foi campeão no Fiji Pro com duas notas 10 nos tubos de Cloudbreak. Julian Wilson amargou outro vice-campeonato e chegou em sua terceira final no ano no J-Bay Open, contra Mick Fanning, mas ela acabou cancelada pelos tubarões em Jeffreys Bay. Agora a bandeira brasileira volta ao pódio no Billlabong Pro Tahiti e quatro brasileiros estão entre os top-10 do ranking, o líder Mineirinho, Filipe Toledo em quarto lugar, Italo Ferreira em oitavo e Gabriel Medina em décimo.

ESTREANTE DO ANO – Italo e Filipe se enfrentaram no primeiro duelo da terça-feira no Taiti e Filipe não conseguiu pegar nenhuma onda sequer durante toda a bateria. Italo ainda surfou o primeiro tubão do dia para ganhar por 15 a zero e seguir para enfrentar Owen Wright nas quartas de final. Wiggolly Dantas disputou a última vaga e só pegou um tubo contra um inspirado Jeremy Flores iniciando o seu caminho até a vitória no Billlabong Pro Tahiti. Italo disputou o duelo seguinte e fez bonito surfando belos tubos, com Owen Wright precisando fazer o maior placar do dia para vencer por 16,93 a 15,94 pontos.

“Eu apenas tentei fazer o meu melhor, mas o Owen (Wright) é realmente incrível”, disse Italo Ferreira, que passou a dividir a oitava posição no ranking com o australiano Josh Kerr e vem sendo o melhor estreante da temporada na elite da World Surf League. “Estou super feliz. É a minha primeira vez competindo aqui em Teahupoo, então foi um grande resultado para mim este quinto lugar. Eu vou voltar para o Brasil agora e já me preparar para tentar conseguir outros bons resultados nos próximos eventos”.

RETA FINAL DA TEMPORADA – Agora todos partem para o próximo desafio nos Estados Unidos, com o Hurley Pro Trestles abrindo a reta final da corrida do título mundial nos dias 9 a 20 de setembro em San Clemente, na Califórnia. Depois vem a “perna europeia” do Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour no mês de outubro, com o Quiksilver Pro France nos dias 6 a 17 em Hossegor e o Moche Rip Curl Pro Portugal nos dias 20 a 31 em Supertubos, Peniche, última parada antes do encerramento da temporada 2015 no Billabong Pipe Masters, de 8 a 20 de dezembro em Banzai Pipeline, na ilha de Oahu, Havaí.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – a World Surf League (WSL) organiza as competições anuais de surfe profissional e as transmissões ao vivo de cada etapa pelo worldsurfleague.com, onde você pode acompanhar todo o drama e aventura do surfe competitivo em qualquer lugar e a qualquer hora onde acontecer. As sanções da WSL são para os seguintes circuitos: World Surf League Championship Tour (CT), que define os campeões mundiais da temporada, Qualifying Series (QS), Big Wave Tour, Pro Junior e Longboard. A organização da WSL está sediada em Santa Monica, Califórnia, com escritório comercial em Nova York. A WSL também tem sete escritórios regionais de apoio na organização dos eventos na África, Ásia, Austrália, Europa, Havaí, América do Norte e América do Sul.

 

RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA DO BILLABONG PRO TAHITI:

Campeão: Jeremy Flores (FRA) por 16,87 pontos (notas 9,87+7,00) – US$ 100.000 e 10.000 pontos

Vice-campeão: Gabriel Medina (BRA) com 13,20 (7,17+6,03) – US$ 40.000 e 8.000 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 20.000 e 6.500 pontos:

1.a: Gabriel Medina (BRA) 16.63 x 8.70 Owen Wright (AUS)

2.a: Jeremy Flores (FRA) 15.86 x 8.93 C. J. Hobgood (EUA)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com US$ 15.000 e 5.200 pontos:

1.a: Owen Wright (AUS) 16.93 x 15.94 Italo Ferreira (BRA)

2.a: Gabriel Medina (BRA) 15.67 x 11.00 Kai Otton (AUS)

3.a: C. J. Hobgood (EUA) 12.90 x 11.16 Josh Kerr (AUS)

4.a: Jeremy Flores (FRA) 16.83 x 15.66 Kelly Slater (EUA)

QUINTA FASE – Vitória=Quartas de Final / Derrota=9.o lugar com US$ 12.750 e 4.000 pontos:

1.a: Italo Ferreira (BRA) 15.00 x 0.00 Filipe Toledo (BRA)

2.a: Kai Otton (AUS) 13.50 x 11.76 Bruno Santos (BRA)

3.a: C. J. Hobgood (EUA) 14.36 x 14.00 Aritz Aranburu (ESP)

4.a: Jeremy Flores (FRA) 13.37 x 13.23 Wiggolly Dantas (BRA)

TOP-22 NO JEEP LEADERBOARD DA WORLD SURF LEAGUE – após a 7.a etapa no Taiti:

1.o: Adriano de Souza (BRA) – 34.950 pontos

2.o: Mick Fanning (AUS) – 34.700

3.o: Owen Wright (AUS) – 34.400

4.o: Julian Wilson (AUS) – 33.200

4.o: Filipe Toledo (BRA) – 33.200

6.o: Kelly Slater (EUA) – 28.400

7.o: Jeremy Flores (FRA) – 27.250

8.o: Josh Kerr (AUS) – 24.900

8.o: Italo Ferreira (BRA) – 24.900

10: Gabriel Medina (BRA) – 24.150

11: Nat Young (EUA) – 22.750

12: Taj Burrow (AUS) – 22.700

13: Wiggolly Dantas (BRA) – 21.250

14: Kai Otton (AUS) – 20.100

15: Bede Durbidge (AUS) – 19.450

16: John John Florence (HAV) – 18.250

17: Matt Wilkinson (AUS) – 16.750

18: Joel Parkinson (AUS) – 16.700

19: Jadson André (BRA) – 15.450

20: Adrian Buchan (AUS) – 14.500

21: Sebastian Zietz (HAV) – 13.250

22: Keanu Asing (HAV) – 13.000

26: Miguel Pupo (BRA) – 10.750


SEGUNDA FEIRA  24 DE AGOSTO 2015

MEDINA CHEGA NAS QUARTAS DE FINAL NO TAHITI. 

O campeão mundial Gabriel Medina segue firme na busca do bicampeonato no Billabong Pro Tahiti e já está nas quartas de final da etapa mais desafiadora do Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour. Ele ganhou a bateria brasileira da quarta fase com um tubo que arrancou nota 10 de três dos cinco juízes para superar Bruno Santos por 17,64 a 17,10 pontos. Italo Ferreira ficou em último e vai enfrentar Filipe Toledo na segunda chance de classificação para as quartas de final, com Wiggolly Dantas fechando essa quinta fase com o francês Jeremy Flores. Depois de uma semana de espera, as ondas voltaram a bombar em Teahupoo na segunda-feira, mas a competição só reiniciou na terceira chamada do dia, as 12h00, com séries de 4-6 pés proporcionando bons momentos, como o tubaço nota 10 unânime de C. J. Hobgood contra Julian Wilson, que manteve Adriano de Souza na ponta do Jeep Leaderboard.

Gabriel Medina (Foto: Kelly Cestari - WSL)
Gabriel Medina (Foto: Kelly Cestari – WSL)

Os dois australianos que tiveram a chance de tirar a lycra amarela de número 1 do ranking do brasileiro na final cancelada do J-Bay Open na África do Sul, fracassaram na segunda tentativa que ganharam com a derrota de Mineirinho para Bruno Santos também na terceira fase do Billabong Pro Tahiti. O vice-líder Mick Fanning foi batido quase sem pegar ondas pelo basco Aritz Aranburu na mesma segunda-feira da semana passada de condições também irregulares em Teahupoo. Julian Wilson ficou uma semana esperando e igualmente não achou nada contra C. J. Hobgood, que pegou um tubo incrível para merecer a primeira nota 10 unânime dos cinco juízes esse ano. Com ela, garantiu a vitória por 13,60 a 9,50 pontos sobre Julian Wilson e a primeira posição de Adriano de Souza no Jeep Leaderboard da World Surf League.

Os únicos que ainda podem conquistar a lycra amarela de número 1 do ranking na terça-feira decisiva do Billabong Pro Tahiti são Filipe Toledo e Owen Wright. Os dois se enfrentaram na abertura da quarta fase e o australiano ganhou a primeira vaga para as quartas de final, mas Filipe tem outra chance de classificação no duelo brasileiro com Italo Ferreira. Se vencer, terá um novo confronto direto com Owen Wright nos tubos de Teahupoo, mas já brigando pela ponta do Jeep Leaderboard, pois Filipe supera a pontuação de Mineirinho se passar para as semifinais. O australiano tem que chegar na grande final para isso e Gabriel Medina pode entrar no caminho por também estar na chave de cima que aponta o primeiro finalista.

Medina conseguiu um bom posicionamento no mar na bateria brasileira em plena bancada de Teahupoo e estava no lugar certo na hora certa para surfar um dos maiores tubos do dia, sumindo na cortina d´água para reaparecer limpo na saída e arrancar três notas 10 dos juízes. Dois deles acharam que não foi tão perfeito quanto o do norte-americano C. J. Hobgood e a média ficou 9,97. O wildcard Bruno Santos também pegou bons tubos e chegou perto da virada no último que surfou na bateria, mas a nota saiu 8,10 e chegou a 17,10 pontos, contra os 17,64 do defensor do título do Billabong Pro Tahiti. Italo Ferreira sofreu uma queda numa das suas primeiras ondas e não conseguiu entrar na briga pela vitória.

“Eu sabia que ia ser uma bateria difícil, especialmente contra o Bruno (Santos), que surfa muito bem aqui”, disse Gabriel Medina. “Depois daquele 9,97 fiquei mais tranquilo, mas depois o Bruno quase me pegou no final da bateria com aquele tubo que ele surfou. Estou muito feliz pela vitória que já me garantiu nas quartas de final e bem confiante para a próxima rodada. Significaria muito para mim vencer aqui novamente, porque eu amo essa onda. É muito bom estar lá fora pegando um monte de ondas e seria muito especial vencer de novo”.

Depois do duelo de tubos entre Medina e Bruno Santos, o mar deu uma parada e Wiggolly Dantas só conseguiu achar um no confronto seguinte, ficando em último na bateria vencida pelo australiano Josh Kerr por apenas 13,20 pontos, contra 11,43 do basco Aritz Aranburu e 6,40 do brasileiro. Wiggolly agora vai enfrentar o amigo Jeremy Flores na disputa pela última vaga para as quartas de final na quinta fase. O francês fez o maior placar da segunda-feira na vitória por 18,84 pontos sobre o campeão mundial Joel Parkinson nas baterias restantes da terceira fase. Depois foi batido pelo tubo nota 9,77 que Kelly Slater achou na onda que fechou a sua participação no último confronto do dia em Teahupoo.

Kelly Slater (Foto: Kelly Cestari - WSL)
Kelly Slater (Foto: Kelly Cestari – WSL)

“Ninguém queria pegar as primeiras ondas que vieram lá fora, pois estavam irregulares e cheias de espuma”, disse Kelly Slater, que ocupa a sexta posição no ranking e busca sua primeira vitória na temporada. “Eu estava em dúvida se ia ou não naquela onda do 9,77 e acabei indo. A primeira bolha de espuma me balançou e diminuiu minha velocidade,  a segunda diminuiu mais ainda, mas consegui vencê-la para sair do tubo. Estou amarradão por ter passado direto para as quartas de final e acho que amanhã (terça-feira) teremos ondas ainda melhores para fechar o evento”.

O Billabong Pro Tahiti termina nesta terça-feira e a primeira chamada para a disputa pelas últimas vagas para as quartas de final foi marcada para as 7h30 no Taiti, 14h30 pelo fuso horário de Brasília, ao vivo pelowww.worldsurfleague.com

Sábado 22 de agosto 2015.

TROFÉU DO OLINDENSE É OBRA DE ARTE.


O trófeu Gabriel Medina que sera oferecido aos campeões do Olindense 2015
é uma verdadeira obra de arte feita pelo artista Emerson Melo, ele colocou
vários detalhes do nosso Campeão Mundial inclusive as tatuagens.

O Olindense acontece no próximo final de semana, dias 29 e 30 de agosto
na praia do Zé Pequeno.


QUINTA FEIRA 20 DE AGOSTO 2015

TERRAL IMPERA EM PERNAMBUCO.



Fábio Quencas no Condomínio Proibido.

Dia de Surf espetacular com o terral acontecendo em pleno agosto depois de 20 dias
de tufão.Quem conseguiu surfar pegou boas ondas em vários picos do estado.No CP a coisa estava fina.




TERÇA FEIRA 18 DE AGOSTO 2015.

HERMES VENCE ETAPA DO BRASILEIRÃO



Dois campeões brasileiros decidiram o título do Oi SuperSurf no domingo de grande público na Praia Grande de Ubatuba, no litoral norte de São Paulo. O mais experiente Jihad Kohdr, 31 anos, melhor profissional do Brasil em 2006, largou na frente com notas 9,23 e 8,17, mas o campeão de 2011, Tomas Hermes, 28, de Barra Velha (SC), conseguiu virar o placar para 17,90 a 17,40 pontos em duas ondas seguidas que valeram 9,33 e 8,57. Desta vez, os paulistas pararam nas semifinais, com Alex Ribeiro e Thiago Guimarães dividindo o terceiro lugar no pódio em Ubatuba. O domingo foi mais um dia de Sol, céu azul e boas ondas na Praia Grande, para fechar a segunda etapa da principal competição do circuito da Associação Brasileira de Surf Profissional (ABRASP). A próxima é nos dias 9 a 13 de setembro na Praia da Joaquina, em Florianópolis (SC). 

"Neste último dia, todas as minhas baterias foram sinistras. Desde a primeira com o Charlie Brown, que surfou muito bem, na semi o Orelhinha (Alex Ribeiro) também tirou nota 9 e com o Jihad (Kohdr) agora que tinha um 9 e um 8, então foi um dia emocionante. Todo mundo quebrou, surfou muito bem e é uma honra para mim fazer uma final com o Jihad", disse Tomas Hermes. "Ele é de uma geração que já quebrou no WCT, por vários anos no SuperSurf e está de parabéns porque é um ídolo, com certeza. Ele é local de Matinhos (PR) e surfa como ninguém essas ondas pra direita. Estou feliz por ter ganhado esse campeonato num dia maravilhoso como esse, com a praia lotada. A gente se divertiu lá dentro, ficamos trocando ideia, comentando sobre a onda de cada um e foi muito maneira essa final com ele".

Tomas Hermes também falou sobre a bateria que decidiu o título do Oi SuperSurf de Ubatuba na Praia Grande: "Eu estava me sentindo bem e aqui você não precisa pegar a melhor onda para tirar notas altas, então decidi arriscar em ir em várias até achar uma que formasse mais para as manobras. Foi isso que aconteceu, no final consegui pegar uma onda quando a prioridade (de escolha) era dele para virar o resultado. O Jihad é muito veloz e eu sabia que tinha que usar mais a borda (da prancha) para conseguir entrar mais um pouco nas manobras. Acho que isso fez a diferença, mas ele também quebrou, surfou boas ondas, só que cada um usa uma tática e bom para mim que deu tudo certo. Estou muito feliz com a volta do SuperSurf, com praia lotada lá em Maresias (São Sebastião-SP), aqui também e estou bem contente por ter entrado na briga do título brasileiro com esta vitória aqui". 

A bateria final do Oi SuperSurf de Ubatuba foi emocionante, como a maioria das baterias disputadas desde as quartas de final que abriram o domingo decisivo na lotada Praia Grande. Jihad largou na frente massacrando as direitas com várias manobras até a beira. Ele é um dos maiores especialistas em direitas do Brasil e mostrou isso abrindo uma grande vantagem sobre Tomas Hermes com notas 8,17 e 9,23 na primeira metade da bateria. Mas, o catarinense conseguiu uma reação fulminante sem escolher muito as ondas, mas pegando as que entravam para arriscar suas manobras modernas, incluindo as aéreas. 

Tomas falhou nas primeiras tentativas, mas logo achou uma direita que abriu a parede até a beira para arrancar a maior nota dos juízes, 9,33. Ele ainda precisava de 8,07 pontos e nos cinco minutos finais da bateria arrebentou em outra direita para receber nota 8,57 e virar o placar para 17,90 a 17,40 pontos. A vitória valeu um prêmio de 15 mil reais para Tomas Hermes e a vice-liderança no ranking brasileiro, que continua com o paulista Flavio Nakagima na frente. Jihad Kohdr ganhou 9 mil reais pelo vice-campeonato e saltou da 13.a para a quinta posição na classificação geral das cinco etapas do Circuito Brasileiro completadas no Oi SuperSurf de Ubatuba.

"Só tenho que agradecer estar de volta ao SuperSurf depois de muito tempo. Tudo o que eu passei na minha vida, estar numa final de novo é gratificante. O trabalho foi duro e árduo, mas agora está vindo a colheita com os resultados", disse Jihad Kohdr. "Estou muito feliz e preciso agradecer meus patrocinadores, a WG, a Backwash e a Canfield, minha família toda, a namorada e a mim mesmo pela minha dedicação, auto-realização e conhecimento, uma purificação que venho fazendo há muito tempo que com certeza vem dando resultado e sei que vou colher muita coisa boa ainda pela frente".

RESULTADOS DO DOMINGO DE UBATUBA: 
Campeão: Tomas Hermes (SC) por 17,90 pontos (notas 9,33+8,57) - R$ 15.000,00 e 6.000 pontos
Vice-campeão: Jihad Kohdr (PR) com 17,40 pontos (9,23+8,17) - R$ 9.000,00 e 5.160 pontos

SEMIFINAIS - 3.o lugar com 4.380 pontos e R$ 4.500,00 de prêmio:
1.a: Tomas Hermes (SC) 17.83 x 15.83 Alex Ribeiro (SP)
2.a: Jihad Kohdr (PR) 16.83 x 14.40 Thiago Guimarães (SP)

QUARTAS DE FINAL - 5.o lugar com 3.660 pontos e R$ 2.250,00 de prêmio:
1.a: Alex Ribeiro (SP) 14.67 x 7.67 Krystian Kymerson (ES)
2.a: Tomas Hermes (SC) 16.74 x 16.50 Charlie Brown (CE)
3.a: Jihad Khodr (PR) 17.07 x 15.16 Hizunomê Bettero (SP)
4.a: Thiago Guimarães (SP) 14.00 x 11.17 Rafael Teixeira (ES)

TOP-20 DO RANKING BRASILEIRO - ABRASP 2015 - 5 etapas:
1.o: Flavio Nakagima (SP) - 10.505 pontos
2.o: Tomas Hermes (SC) - 10.270
3.o: Hizunomê Bettero (SP) - 9.900
4.o: Charlie Brown (CE) - 9.140
5.o: Jihad Kohdr (PR) - 8.750
6.o: Thiago Camarão (SP) - 8.210
7.o: Alex Ribeiro (SP) - 7.960
8.o: Thiago Guimarães (SP) - 7.820
9.o: Deivid Silva (SP) - 7.535
10: Marco Fernandez (BA) - 7.010
11: Krystian Kymerson (ES) - 6.660
12: Alandreson Martins (BA) - 6.540
13: Messias Felix (CE) - 6.380
14: Ian Gouveia (PE) - 6.310
15: Matheus Navarro (SC) - 6.150
16: Saulo Junior (SP) - 6.115
17: Willian Cardoso (SC) - 5.955
18: Odirlei Coutinho (SP) - 5.700
19: Paulo Moura (PE) - 5.680
20: Bino Lopes (BA) - 5.550

SEGUNDA FEIRA 17 DE AGOSTO 2015

GABRIEL MEDINA VENCE JOHN JOHN EM BATERIA HISTÓRICA NO TAHITI.


Medina prepara o tubo. Foto: WSL

Nessa segunda tivemos as baterias da repescagem e parte do round 03 no Tahiti
dando sequência a etapa 07. A noticia ruim ficou com o líder Mineirinho que 
foi derrotado pelo Bruno Santos e pode perder a liderança para o Julian Wlson
se o mesmo avançar ao round 04.Em outra disputa verde amarelo tivemos a
quarta vitória do Ítalo Ferreira sobre o Jadson André mostrando muita vontade
de pegar os tubos perfeitos de Teahupoo.

Quem também confirmou presença no round 04 foi o Wiggolly Dantas que deu 
um show de Surf.

Na bateria do dia o duelo mais aguardado entre Gabriel Medina e John John foi um
espetáculo especial com descartes de notas 9 pelos dois que combateram até os últimos
minutos ficando o nosso Campeão Mundial com a vaga ao round 04.

No começo da tarde a direção cancelou as outras baterias uma vez que as
condições ficaram muito ruin, amanhã a chamada é às 14:30 hora de Brasilia.

DOMINGO 16 DE AGOSTO 2015

ÍTALO FERREIRA MANDA GABRIEL MEDINA PARA REPESCAGEM.



Mais um feito do garoto sensação da WSL Ítalo 
Italo Ferreira ,dessa vez no Tahiti mandando o nosso Campeão Mundial
Gabriel Medina para a repescagem. Italot Ferreira surfou com muita personalidade e soube domar os tubos de Teahupoo
mesmo em condições complicadas de vento. Agora é descansar e focar no round 03











 ESSE SITE É MELHOR VISUALIZADO NO NAVEGADOR EXPLORER