SURFE NORDESTE
SURF EM DIA
Mande seu recado
GALERIA 2013
Gata Surfe Nordeste
SÉCULO 20
ESPECIAIS
Contatos
Internautas
surfe historias
ARQUIVOS 2014
ARQUIVOS 2013
SURF EM DIA

 






Pernambuco, a terra dos altos coqueiros.

 



 PATROCINADORES







          

                                                                                               

     

                                                    



        
  


A RÁDIO DO SURF - MUITA MÚSICA , ENTREVISTAS E MUITA INFORMAÇÃO
-------------------------------------------------------------------------------------------------



PREVISÃO DE ONDAS.
acesse sua praia antes de ir ao Surf, veja os mapas
animados, o vento e o tamanho das ondas. Tudo bem
fácil e com alta tecnologia.








  

SÁBADO 26 DE JULHO 2014

GABRIEL FARIAS VENCE E O PINO DETONADOR
FAZ HISTÓRIA EM ITAPUAMA.



Encerrada nessa sexta a quarta etapa do pernambucano 2014 de forma brilhante na praia de Itapuama, (25 km do Recife) considerada o novo Acaiaca, aonde nasceu o Surf no Recife. Com um swell forte a competição aconteceu com uma Itapuama mostrando seus dias nervosos com as series bombando sem parar, e essa foi um dos pontos forte desse circuito muita onda. Parabenizar a Federação Pernambucana a Associação Nordestina e a CBS por mais um grande evento. O nosso Presidente Geraldinho muito feliz com a realização do evento já contabilizava o circuito como um dos melhores já realizados.

 Na água brilhou o Gabriel Farias, atual campeão profissional que teve de bater três surfistas muitos fortes para ficar no lugar mais alto, Cezar Aguiar (2) Luel Felipe (3) seus vizinhos de Porto de Galinhas e o Paulo Henrique  local de Natal. Foi uma das melhores baterias que tivemos esse ano, pois o nível do Surf estava muito alto com os atletas fazendo  notas atrás de notass e se revezando no topo. Parabéns ao Gabriel Farias que subiu para a décima primeira colocação depois de perder duas etapas por motivo de viagens internacionais e na única etapa que competiu foi apenas o décimo sexto.


Quem ficou muito feliz foi o Cezar Aguiar que no dia do seu aniversário assumiu os rankings pernambucano / nordestino e agora busca o titulo na última etapa em Olinda, que deve ter sua data anunciada nos próximos dias.



O grande destaque do evento foi com certeza a vitória do Anão Detonador, Roberto Pino na categoria Máster  Ele que na semi final tinha detonado o atual Campeão Brasileiro Pedro Lima e que já estava satisfeito de fazer duas finais, detonou o Guga Roque, Paulo Germano e Luiz Monteiro, o Potó em bateria histórica. Parabéns Detonador.

Nas demais categorias também não faltaram emoções e todos os atletas estão de parabéns, afinal se não fosse por vocês não haveria alegria.

Resultados:

PROFISSIONAL
 

 1.       Gabriel Farias

 

 2.       César Aguiar

 

 3.       Luel Felipe

 

 4.       Paulo Henrique

 
 OPEN
 
1.       Elivelton Santos
 

 2.       Emanuel de Souza

 

 3.       José Francisco

 

 4.       Pedro Henrique

 
> Máster
 

 1.       Roberto Pino

 

 2.       Gustavo Roque

 

 3.       Paulo Germano

 

 4.       Luiz Fernando

 
 Sênior
 

 1.       Emanuel de Souza

 

 2.       Oswaldo Cajá

 

 3.       Fernando Santos

 

 4.       Roberto Pino

 
 
 Junior
 

 1.       Tiago Silva

 

 2.       Dener Carvalho

 

 3.       Ivis opes

 

 4.       Douglas José

 
 Mirim
 

 1.       Douglas José

 

 2.       Wallace Junior

 

 3.       Tiago Pereira

 

 4.       Cauã Nunes

 
 Iniciante
 

 1.       Cauã Nunes

 

 2.       Lucas Lisboa

 

 3.       Grego

 

 4.       Lucas Henrique

 
 Longboard
 

 1.       Reginaldo Nascimento

 
2.       Romualdo Nascimento
 

 3.       Rafael Cavalcante

 

 4.       Carlos Silveira

 
 Feminino
 

 1.       Edjane de Oliveira

 

 2.       Carol Souza

 

 3.       Ramayana Silveira

 

 4.       Marília Lacerda





QUINTA FEIRA 24 DE JULHO 2014
PERNAMBUCANO EM ITAPUAMA, COMEÇA
COM EXCELENTES CONDIÇÕES DE ONDAS.



Thalis Galvão decola na vala e avança na Open.

A quarta etapa do pernambucano 2014 começou com excelentes condições de ondas e muito
prestigiada com atletas de vários estados disputando a premiação de R$ 5 mil reais e os pontos
que também são válidos para o Nordestino PRO. Com a presença de nomes como Elivelton
Santos, Luel Felipe Silva, Junior Lagosta, Alan Donato, Cezar Aguiar Molusco e o atual
Campeão Gabriel Farias tivemos uma quinta feira de boas baterias na categoria principal.
Amanhã sera um dia de muitas disputas pois várias categorias ainda na segunda fase terão
de ser finalizadas pois no sábado já começam as disputas do Brasileiro amador. Nessa
sexta a categoria que abre o dia é a MASTER á partir dás 7 horas.Venha para Itapuama
e acompanhe o show de Surf que vai acontecer durante todo o dia.

CLIQUE AQUI E VEJA FOTOS DESSA QUINTA EM ITAPUAMA.



SEXTA 18 de julho 2014


DOBRADINHA AUSTRALIANA NA AFRICA.

 

Valeu a pena ficar cinco dias esperando para fechar o J-Bay Open em condições clássicas no sábado em Jeffreys Bay, na África do Sul. Em ondas perfeitas de 6-10 pés em Supertubes, o australiano Mick Fanning surfou ótimos tubos para vencer as quatro baterias que disputou, incluindo a decisão do título contra o também australiano Joel Parkinson. O atual campeão mundial conquistou a sua segunda vitória no ano, se igualando ao taitiano Michel Bourez e o brasileiro Gabriel Medina, que segue liderando a corrida pelo título do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour 2014. Medina parou nas quartas de final no sábado, ficando empatado em quinto lugar com Adriano de Souza, Alejo Muniz e o australiano Taj Burrow.

Mick Fanning tricampeão nos tubos de Jeffreys Bay (Foto: Kelly Cestari / ASP)

Mick Fanning tricampeão nos tubos de Jeffreys Bay (Foto: Kelly Cestari / ASP)

Mineirinho venceu o primeiro duelo do dia, quando o mar ainda estava irregular e difícil de encontrar boas ondas. Ele derrotou Josh Kerr por 10,33 a 9,04 e repetiu esse mesmo placar na abertura das quartas de final contra o também australiano Joel Parkinson, que pegou os melhores tubos que entraram na bateria para garantir a primeira vaga nas semifinais por 14,50 pontos. Gabriel Medina também começou o sábado pela repescagem e ganhando por pouco do campeão mundial de 2001, C. J. Hobgood, 11,17 a 11,10 pontos. Depois, fez um dos duelos mais eletrizantes do último dia contra o australiano Owen Wright, que levou a melhor por 17,40 a 16,07 pontos.

Com a derrota nas quartas de final, Medina poderia perder a liderança do ranking se Joel Parkinson vencesse o J-Bay Open, mas Mick Fanning tratou de manter o fenômeno na ponta para festejar sua segunda vitória na temporada. Assim como os dois brasileiros, o australiano também disputou a repescagem porque havia perdido a primeira chance de classificação para as quartas de final na segunda-feira para o catarinense Alejo Muniz. Fanning estava sintonizado com as séries em Supertubes desde a sua primeira apresentação, passando fácil pelo havaiano Fredrick Patacchia, depois pelo próprio Alejo Muniz nas quartas e pelo seu compatriota Owen Wright nas semifinais.

Na decisão do título do J-Bay Open, Mick Fanning construiu a sua segunda vitória no Samsung Galaxy ASP World Championship Tour 2014 com os 17,00 pontos que computou nas duas melhores ondas que surfou na primeira metade da bateria. Ele e o seu amigo de infância, Joel Parkinson, tinham duas vitórias em Jeffreys Bay e foi Mick Fanning quem comemorou a terceira. A primeira de Parkinson foi em 1999 competindo como convidado porque ainda não era da elite do WCT e só repetiu o feito dez anos depois. Já Fanning foi o melhor nas longas direitas de Supertubes em 2002 e 2006. Com a terceira vitória, ele subiu de oitavo para terceiro lugar no ranking que continua liderado por Gabriel Medina com Parkinson em segundo.

“Nunca nem em sonho imaginei fazer uma final aqui em Jeffreys Bay com o Joel (Parkinson) e estou muito feliz por isso”, disse Mick Fanning. “Eu estou bastante cansado, mas muito satisfeito porque foi um dia que o sonho se tornou realidade. O Joel (Parkinson) é um dos meus surfistas favoritos e meu melhor amigo, pois nos conhecemos desde quando éramos crianças. Estou muito feliz, foi um dia incrível de ondas e só tenho que agradecer à ASP e a todos os envolvidos por trazer o WCT de volta aqui para Jeffreys Bay”.

Joel Parkinson teve a chance de tirar a liderança do ranking de Gabriel Medina na última bateria do J-Bay Open, mas ficou feliz por ter surfado ótimos tubos para derrotar Adriano de Souza nas quartas de final e principalmente o australiano Matt Wilkinson na semifinal. Ele agora retorna ao segundo lugar no ranking com o vice-campeonato na África do Sul, repetindo o seu melhor resultado no ano que havia sido na etapa que abriu a temporada na Gold Coast, Austrália, quando perdeu a decisão do título para o brasileiro Gabriel Medina.

“Foi uma bateria incrível, mas o Mick Fanning é um grande surfista e mereceu a vitória”, concordou Joel Parkinson. “Eu cometi alguns erros na escolha das ondas que me deixaram um pouco fora do ritmo das séries. Teria sido muito bom conseguir uma vitória, mas o segundo lugar também foi um bom resultado e o mais importante foi surfar tubos incríveis neste dia maravilhoso de ondas aqui em Supertubes hoje (sábado)”.

Mick Fanning e Joel Parkinson (Foto: Kirstin Scholtz / ASP)

Mick Fanning e Joel Parkinson (Foto: Kirstin Scholtz / ASP)

Foi Joel Parkinson quem surfou a melhor onda do último dia, arrancando uma nota 10 para derrotar Matt Wilkinson na semifinal encerrada em 18,83 a 15,54 pontos. Com o terceiro lugar no J-Bay Open, Wilkinson saltou da 33.a para a 21.a posição no ranking, dividindo com o também australiano Adam Melling a última colocação no grupo dos 22 primeiros que são mantidos na elite dos top-34 para o ano que vem. Quem estava ocupando essa vaga era Alejo Muniz, que acabou caindo para o 23.o lugar com a derrota para Mick Fanning nas quartas de final.

PRÓXIMAS ETAPAS – Agora restam cinco etapas para definir o campeão mundial e os sete primeiros colocados no ranking vão brigar pela liderança na corrida do título no sétimo desafio do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour 2014, o Billabong Pro Tahiti nos temidos tubos de Teahupoo, nos dias 15 a 26 de agosto. Joel Parkinson em segundo lugar e Mick Fanning em terceiro só superam a pontuação atual de Gabriel Medina se vencerem duas baterias no mínimo no Taiti. O quarto colocado, Taj Burrow, só consegue isso se chegar nas quartas de final, o quinto Michel Bourez e o sexto Kelly Slater precisam alcançar as semifinais, enquanto o sétimo Adriano de Souza já necessita fazer a final no Taiti.

Depois do Billabong Pro Tahiti, tem o Hurley Pro em Trestles nos Estados Unidos de 9 a 20 de setembro, seguido pelo Quiksilver Pro France de 25 de setembro a 6 de outubro em Hossegor, o Moche Rip Curl Pro Portugal de 12 a 23 de outubro em Peniche e o Billabong Pipe Masters fechando a temporada no Havaí de 8 a 20 de dezembro em Banzai Pipeline. No momento, sete brasileiros estão se classificando para o WCT do ano que vem. Os paulistas Gabriel Medina, Adriano de Souza, Miguel Pupo e Filipe Toledo, estão entre os 22 que são mantidos na elite pelo ranking principal e o também paulista Wiggolly Dantas, o catarinense Tomas Hermes e o potiguar Jadson André, vão garantindo suas vagas entre os dez indicados pelo ASP Qualifying Series.
 

OP-22 DO RANKING DO SAMSUNG GALAXY ASP WORLD TOUR 2014 – 6 etapas:

1.o: Gabriel Medina (BRA) – 36.150 pontos

2.o: Joel Parkinson (AUS) – 34.400

3.o: Mick Fanning (AUS) – 32.650

4.o: Taj Burrow (AUS) – 31.950

5.o: Michel Bourez (TAH) – 30.500

6.o: Kelly Slater (EUA) – 30.350

7.o: Adriano de Souza (BRA) – 30.100

8.o: Nat Young (EUA) – 25.900

9.o: Kolohe Andino (EUA) – 22.500

10: Josh Kerr (AUS) – 22.250

11: Owen Wright (AUS) – 19.700

12: Jordy Smith (AFR) – 18.400

13: John John Florence (HAV) – 17.450

14: Bede Durbidge (AUS) – 16.200

15: Julian Wilson (AUS) – 15.250

16: Fredrick Patacchia (HAV) – 14.750

17: C. J. Hobgood (EUA) – 13.700

17: Miguel Pupo (BRA) – 13.700

19: Sebastian Zietz (HAV) – 12.700

20: Filipe Toledo (BRA) – 12.500

21: Matt Wilkinson (AUS) – 10.250

21: Adam Melling (AUS) – 10.250

segunda feira 14 DE JULHO 2014
OLINDENSE EM FOTOS


CAUÃ NUNES CAMPEÃO INICIANTE ANTES DA BATEROA FINAL

ACESSE E VEJA FOTOS DA ETAPA INAUGURAL DO CIRCUITO OLINDENSE DE SURF 2014 QUE ACONTECEU
NESSA SEXTA E SÁBADO NA PRAIA DE ZÉ PEQUENO.

CLIQUE E VEJA FOTOS DE OLINDA.


SÁBADO 12 DE JULHO 2014.

TIAGO SILVA VENCE O OLINDENSE.


Tiago Silva, local de Maracaípe e  atual Campeão Open de Pernambuco venceu a pouco a etapa inaugural do Circuito Olindense 2014. Numa bateria que só foi resolvida no final, ele venceu seu vizinho Osvaldo Cajá também local de Porto de Galinhas. As ondas deram uma recuada nesse sábado, mas não atrapalhou a realização das semifinais e finais das categorias, Open, Máster e Iniciante. O formato encontrado pela ASO funcionou muito bem ao juntar três categorias importantes e representativas do esporte. Ainda daria tempo para realização de uma bateria Feminina o que deve ocorrer nas próximas etapas. O tempo é muito importante em Zé Pequeno uma vez que só na maré enchendo e na cheia é possível realizar as baterias. Mas uma vez o publico foi o ponto alto mostrando que a população de Olinda apoia e adora o Surf. Na iniciante o local de Itapuama. Cauã Nunes, venceu o duelo com o local de Olinda Tiago Pereira e ficou com o segundo título em uma semana, pois tinha faturado a etapa 03 do pernambucano. Na Máster disputa acirrada entre o local de Itapuama Fernando Santos e o Detonador Roberto Pino até o fim da bateria quando “CRUEL” achou uma esquerda e aplicou duas manobras fortes deixando o PINO com  a segunda colocação. Parabenizar a ASO nas figuras de Thales da Secret e Maurão que conduziram muito bem o evento recebendo todos com muita atenção e fazendo o evento acontecer com muita harmonia. Também mandar um forte abraço para Fábio da Urban Wave e João, da ARGO SURFBOARDS pelo patrocínio do evento.

RESULTADOS.

OPEN

1-    1-TIAGO SILVA

2-   2- Osvaldo Cajá

3-   3- Ramon Austin

4-    4-Rivaldo de Sousa.

MASTER

       1 FERNANDO SANTOS

       2-Roberto Pino

       3-Fernando Pereira

   4-Bruno Viana.

 

INICIANTE

1-CAUÃ NUNES

2-Tiago pereira

3- Luiz Manoel

5-      4Alef Mateus. 

OLINDENSE DE SURF – ZÉ PEQUENO

Patrocínio: URBAN WAVE / ARGO E SECRET POINT.

Sexta 11 DE JULHO 2014

OLINDENSE É SUCESSO TOTAL.


Sucesso total a abertura do Circuito Olindense de Surf nessa sexta feira na Praia de Zé Pequeno. A Cidade Patrimônio da Humanidade recebeu muito bem os surfistas que vieram prestigiar o evento, e a lotação foi acima do esperado tendo a organização de formar mais duas baterias na categoria Open devido ao interesse dos atletas em participar. Abrindo os trabalhos com a categoria iniciante tivemos o local de Itapuama, Cauã, vencendo a primeira bateria em Olinda 2014. Na sequência da iniciante foi a vez do Open que apresentou um excelente nível técnico devido a surfistas como Tiago Silva atual campeão Open, Cajá, Ramon Austin, Roberto Pino e Julio Pereira surfista local que conhece como poucos os caminhos do Zé Pequeno. A outra categoria na água foi a Máster com os atletas mostrando muita desenvoltura nas condições do pico já com a maré cheia. Como sempre o ponto alto fica com o excelente publico que vem prestigiar os eventos na orla de Olinda provando que a ASO esta no caminho certo organizando os campeonatos que os atletas precisam e o publico adora.

Destaque na organização para o julgamento a cargo do Diretor técnico da Federação Pernambucana, Roberto Bade que deixa o evento com muita credibilidade apesar de ser utilizada a velha papeleta de notas.

Nesse sábado teremos as semifinais e as finais a partir das 13 horas fechando com chave de ouro a primeira etapa do Olindense de Surf que ficou marcado pelo alto astral do povo de Olinda.

OLINDENSE DE SURF – ZÉ PEQUENO

 

Patrocínio: URBAN WAVE / ARGO E SECRET POINT.

CLIQUE AQUI E VEJA FOTOS DE OLINDA

SEGUNDA FEIRA 07 DE JULHO 2014

ÍNDIO QUER APITO SE NÃO DER
PAU VAI COMER.



ELIVELTON SANTOS VENCEU A PRO, A OPEN E A JUNIOR DURANTE A TERCEIRA ETPA DO CIRCUITO PERNAMBUCO 2014.

E foi preciso vencer 03 categorias para acalmar o índio Voador, Elivelton Santos nesse domingo em
Porto de Galinhas na baía de Maracaípe. Etapa espetacu
lar com um swell violento entrando com muito
vento mais proporcionando altas ondas em Maraca. Foi um domingo que coroou
Federação Pernambucana de Surf e a Associação Nordestina de Surf que chegam em julho com 03 etapas
realizadas e a quarta marcada para os dias 23 e 24 em Itapuama. Mais uma vez tivemos a
oportunidade de ver o show do Índio Voador que abusou do seu repertório para levar o
excelente publico ao delírio.Fazia tempo que Maraca não recebia um publico tão bom
em pleno inverno.Com várias categorias em disputa foi um domingo dedicado a grandes
batalhas na ágiua que acabou levando ao primeiro lugar no pódio dos seguintes atletas:

PRO / OPEN / JUNIOR - ELIVELTON SANTOS 
MASTER : Pedro Dos Santos Lima
LONG: Reginho Nascimento
FEMININO: Paula Mourão
SENIOR: Emanuel de Souza.
INICIANTE: Cauã Nunes.
MIRIM: Deyvison Santos



MOLUSCO FICA EM SEGUNDO QUEBRANDO TUDO.

O Local de Maracaípe Cezar Aguiar Molusco ficou com a segunda colocação na Profissional surfando
muito e perdeu por apenas 0,87 pontos o que deixou ele maluco por alguns segundos. Acelera Brother.

veja resultados completos:

http://www.surfcore.com.br/system/2014/pernambucano/index.php?etapa=3&tab=2

VEJA FOTOS DO EVENTO CLIQUE AQUI


DOMINGO 06 DE JULHO 2014


Tim Reyes vence o Prime da África


As ondas subiram para 6-8 pés no domingo para fechar o Mr. Price Pro Ballito em condições desafiadoras em Willard´s Beach. Os brasileiros Filipe Toledo, 19 anos, e Jadson André, 24, ficaram nas quartas de final que abriram o último dia e o norte-americano Tim Reyes, 31, faturou os 40 mil dólares da vitória no ASP Prime da África do Sul. A decisão contra o australiano Matt Wilkinson, 25, foi encerrada em 15,44 a 14,70 pontos. Com o título na segunda etapa de 6.500 pontos do ano, Reyes saltou da 131.a para a quinta posição no ASP Qualifying Series. O vice-campeão também entrou na lista dos dez surfistas indicados pelo ranking de acesso para a elite dos top-34 do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour com os 5.200 pontos que marcou, subindo do 108.o para o 11.o lugar na classificação geral das onze etapas completadas em KwaZulu-Natal, na África do Sul.

Tim Reyes campeão do ASP Prime da África do Sul (Foto: Kelly Cestari / Mr. Price)

Tim Reyes campeão do ASP Prime da África do Sul (Foto: Kelly Cestari / Mr. Price)

Depois do day-off no sábado de ondas pequenas, o mar mudou bastante no último dia e Filipe Toledo não conseguiu repetir os aéreos que lhe renderam as duas únicas notas 10 do Mr. Price Pro Ballito esse ano. No domingo, os tubos arrancaram as maiores notas dos juízes e as condições estavam difíceis para os dois competidores do primeiro duelo do dia, mas o português Tiago Pires teve mais sorte na escolha das ondas para derrotar por 13,00 a 11,60 pontos o recordista absoluto do campeonato, Filipe Toledo. Tiago depois perdeu para o campeão Tim Reyes na semifinal, mas também deu um grande salto no ranking com os 4.225 pontos que computou, saindo da 109.a para a 15.a posição no ranking do ASP QS.

O potiguar Jadson André entrou na terceira bateria do dia e surfou bem contra o australiano Adam Melling. Com os 14,74 pontos que totalizou, poderia ter vencido todas as outras três baterias das quartas de final, menos a dele, pois seu oponente fez maior o placar do dia – 16,17 – para tirar o último brasileiro da disputa do título na África do Sul. Mesmo assim, Jadson já havia cumprido sua meta, que era entrar no G-10 do ASP Qualifying Series. No momento, ele está fora do grupo dos 22 primeiros colocados no WCT que são mantidos na elite para o ano que vem e agora vai garantindo sua permanência pelo ranking de acesso do ASP World Tour.

É a mesma situação de Matt Wilkinson, que passou por dois australianos no domingo para conquistar o seu melhor resultado na temporada 2014. A primeira vítima foi Jack Freestone e a segunda Adam Melling, quando ele surfou um tubaço nota 9,9. Na grande final, Wilkinson também fez a melhor onda da bateria, que valeu nota 9,2. No entanto, na soma das duas notas computadas, o veterano Tim Reyes, que já foi top do WCT e depois se tornou um big-rider especialista em ondas grandes, superou o australiano com o 7,17 e 8,27 recebidos em suas duas melhores apresentações.

“Esta é definitivamente a maior vitória que já tive na minha vida”, vibrou o norte-americano Tim Reyes. “Eu sabia que o Matt (Wilkinson) ia receber uma nota alta naquela onda que ele surfou. Mas, eu tive um sonho a poucos dias que eu estava na final e teria que ter paciência que a onda viria para mim. Foi assim em quase todas as baterias que disputei aqui e aconteceu de novo, quando eu consegui aquela nota 8,25 no final que me garantiu a vitória”.

O curioso é que Tim Reyes ficou sem surfar por dez semanas por causa de uma contusão no ombro e só voltou a pegar ondas duas semanas antes do Mr. Price Pro Ballito. Com o salto que deu do 131.o para o quinto lugar no ranking do ASP Qualifying Series, ele agora passa a ter chances reais de se requalificar para o WCT. “É muito cedo ainda e só quero manter a concentração em uma etapa de cada vez, bateria por bateria, para depois ver o que vai acontecer”, disse Reyes.

O australiano Matt Wilkinson foi o destaque do domingo de grandes ondas em Willard´s Beach e ganhou novo ânimo com o vice-campeonato na África do Sul, pois não vinha conseguindo bons resultados nas etapas do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour esse ano. Ele agora passou a ocupar a penúltima posição no G-10 do ASP Qualifying Series, que está indicando até o 12.o colocado, Patrick Gudauskas, dos Estados Unidos. Isto porque o líder Adriano de Souza e o também brasileiro Filipe Toledo, fazem parte dos top-22 que são mantidos no WCT e dispensam a classificação pelo ranking de acesso.

BRASIL NO G-10 – Ainda assim, o Brasil é maioria na lista do G-10 atualizada após o resultado do ASP Prime da África do Sul, com três surfistas – o paulista Wiggolly Dantas em terceiro lugar, o catarinense Tomas Hermes em sétimo e o potiguar Jadson André em oitavo. As outras vagas estão sendo ocupadas pelos australianos Matt Banting em segundo no ranking e Matt Wilkinson em 11.o, o neozelandês Billy Stairmand em quarto, os norte-americanos Tim Reyes em quinto e Patrick Gudauskas em 12.o, o havaiano Keanu Asing em sexto e o único representante da Ilha Guadalupe no Circuito Mundial da ASP, Charles Martin, que ocupa a nona posição.

FINAL DO ASP PRIME MR. PRICE PRO BALLITO

Campeão: Tim Reyes (EUA) por 15,44 pontos – US$ 40.000 e 6.500 pontos

Vice-campeão: Matt Wilkinson (AUS) com 14,70 – US$ 20.000 e 5.200 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 11.000 e 4.225 pontos:

1.a: Tim Reyes (EUA) 11.50 x 11.26 Tiago Pires (PRT)

2.a: Matt Wilkinson (AUS) 15.57 x 10.50 Adam Melling (AUS)

QUARTAS DE FINAL NO DOMINGO – 5.o lugar com US$ 7.000 e 3.320 pontos:

1.a: Tiago Pires (PRT) 13.00 x 11.60 Filipe Toledo (BRA)

2.a: Tim Reyes (EUA) 11.43 x 9.16 Dillon Perillo (EUA)

3.a: Adam Melling (AUS) 16.17 x 14.74 Jadson André (BRA)

4.a: Matt Wilkinson (AUS) 13.20 x 10.90 Jack Freestone (AUS)
 

G-10 DO RANKING DO ASP QUALIFYING SERIES – 11 etapas:

1.o: Adriano de Souza (BRA) – 10.789 pontos

2.o: Matt Banting (AUS) – 9.760

3.o: Wiggolly Dantas (BRA) – 9.705

4.o: Billy Stairmand (NZL) – 8.030

5.o: Tim Reyes (EUA) – 7.110

6.o: Keanu Asing (HAV) – 7.036

7.o: Tomas Hermes (BRA) – 6.878

8.o: Jadson André (BRA) – 6.640

9.o: Charles Martin (GLP) – 6.416

10: Filipe Toledo (BRA) – 6.380

11: Matt Wilkinson (AUS) – 6.080

12: Patrick Gudauskas (EUA) – 5.590

 


sexta 27 de junho 2014
SWELL DA CHUVA DOIDA FAZ A MANHÃ
DE SURF EM PERNAMBUCO.



Brother pega o expresso matinal.

DEPOIS DA TEMPESTADE VEM A BONANÇA.

Caída na madruga para aproveitar o terral gelatinoso que bateu desde a madrugada em
Pernambuco depois da chuva de 24h que alagou a região metropolitana. Mas como dizem
os sábios depois da tempestade vem 
a bonança. e foi o que aconteceu para que madrugou
nos principais picos de surf para aproveitar a sexta feira sem lei. Com apenas 10 cabeças
no mar a Enseada dos Corais deu o bom dia e proporcionou belos tubos para quem
conseguiu acordar.


CLIQUE AQUI E VEJA FOTOS


SEGUNDA FEIRA 16 DE JUNHO 2014
GAÍBU MOSTRA SUA FORÇA.



Local Motion bota pra baixo nessa segunda em Gaíbu.

As segundas feiras começam a escrever suas histórias no inverno pernambucano 2014.
Hoje na maré enchendo Gaíbu mostrou como seu fundo esta preparado para receber as
ondulações. Melhor para os nativos que estavam surfando sem crowd. Semana começando bem.

CLIQUE AQUI E VEJA FOTOS DESSA SEGUNDA.



TERÇA FEIRA 10 DE JUNHO 2014

ASSISTA O CURTA "SURFANDO".

Gravado em Baía Formosa (RN), Barra de Camaratuba (PB) Maracaípe (PE) e no
Rio de Janeiro.




QUINTA FEIRA 05 de junho 2014
GABRIEL MEDINA VENCE, CONVENCE E 
REASSUME O TOPO DO RANKING


O Brasileiro Gariel Medina deu um verdadeiro show essa tarde
no Brasil, dia 06 de junho em FIJI, na Ilha Tavarua aonde foi
realizado a quinta etapa do circuito WCT SAMSUNG. Medina
colocou o kolohe Andino na Kombi durante a semi final e venceu
o americano Nat Young numa final sensacional marcando novos
tempos no circuito ASP.
Agora com duas vitorias no ano Medina coloca seu nome nas
bolsas de aposta, Valeu Brother.

04 de junho 2014
DOS SETE BRASILEIROS EM FIJI, SÓ RESTAM
03 PARA DISPUTAR O PÓDIO.

Dos sete surfistas da seleção brasileira na etapa das Ilhas Fiji do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour, apenas três continuam na disputa do título do quinto desafio na corrida do título mundial da temporada 2014. Gabriel Medina e Adriano de Souza estrearam com vitórias e nem competiram na quarta-feira, enquanto Filipe Toledo disputou duas baterias e já está na rodada das duas chances de classificação para as quartas de final do Fiji Pro. Ele ganhou o duelo verde-amarelo com Jadson André na repescagem e depois despachou o sul-africano Jordy Smith na terceira fase, com a quarta-feira de boas ondas de 3-5 pés em Cloudbreak sendo encerrada com Kelly Slater derrotando o australiano Mitch Coleborn.

Mick Fanning foi o carrasco dos brasileiros na quarta-feira (Foto: S. Robertson / ASP)

Mick Fanning foi o carrasco dos brasileiros na quarta-feira (Foto: S. Robertson / ASP)

Este foi o primeiro dia cheio de competição nas ilhas Fiji esse ano. Foram realizadas dezoito baterias, as doze da repescagem e seis da terceira fase. Assim como Filipe Toledo, Alejo Muniz também competiu duas vezes na quarta-feira. O catarinense venceu a outra bateria 100% brasileira da repescagem contra Miguel Pupo, mas foi barrado pelo defensor do título mundial, Mick Fanning, no duelo que abriu a terceira e última rodada de doze baterias do Fiji Pro. O australiano já havia tirado outro brasileiro do campeonato, Wiggolly Dantas, na repescagem.

Na quarta fase, os doze classificados voltam a ser divididos em baterias de três competidores como na rodada inicial. Agora, a vitória vale vaga nas quartas de final para os vencedores, mas os perdedores têm uma segunda chance de classificação na segunda e última repescagem do campeonato. Com os resultados da metade da terceira fase que fechou a quarta-feira, duas baterias já estão definidas. A primeira será entre Mick Fanning, o americano Nat Young e o taitiano Michel Bourez, campeão do Billabong Rio Pro no Rio de Janeiro.

BATERIAS VERDE-AMARELAS – Na segunda, Filipe Toledo encara o líder do ranking, Kelly Slater, além do australiano Owen Wright. Filipinho ganhou dois duelos muito difíceis para colocar seu nome entre os doze finalistas do Fiji Pro. Na repescagem contra Jadson André, venceu de virada com a nota 6,23 da sua última onda. Com ela, superou o potiguar por uma pequena diferença no placar de 12,90 a 12,50 pontos. Depois, Filipe repetiu a dose contra Jordy Smith na terceira fase, confirmando a vitória com a nota 8,27 igualmente da sua última onda para derrotar o sul-africano por 13,70 a 12,43.

Na outra bateria verde-amarela da repescagem, o catarinense Alejo Muniz também aproveitou a última chance que teve para avançar para a terceira fase com nota 6,77. O paulista Miguel Pupo surfou a melhor onda do confronto que valeu 8,33, mas na soma das duas computadas foi Alejo quem levou a melhor. Ele tinha um 6,33 do início da bateria e totalizou 13,10 pontos, contra 12,93 de Miguel Pupo, que acabou somando um 4,60 no resultado final.

CARRASCO DOS BRASILEIROS – O catarinense depois não achou boas ondas na abertura da repescagem, ao contrário de Mick Fanning, que pegou as melhores que entraram na bateria para vencer fácil por 15,07 a 8,44 pontos. O australiano foi o carrasco dos brasileiros na quarta-feira. Antes de derrotar Alejo Muniz, o tricampeão mundial já havia eliminado o paulista Wiggolly Dantas na segunda bateria do dia da repescagem, mas por um placar mais apertado de 12,43 a 11,60 pontos. Fanning tenta melhorar sua posição no ranking, pois chegou em Fiji em oitavo lugar.

Na disputa pelo título mundial deste ano, Gabriel Medina largou na frente liderando o Samsung Galaxy ASP World Tour 2014 nas três provas da “perna australiana”. Mas, Kelly Slater assumiu a ponta do ranking com o terceiro lugar nas semifinais do Billabong Rio Pro no Brasil. Medina já foi finalista nas Ilhas Fiji em 2012 contra Kelly Slater, que venceu as três últimas edições do desafio nos tubos de Cloudbreak e Restaurants, na ilha de Tavarua. Ele estreou com vitória na terça-feira e vai enfrentar o havaiano Fredrick Patacchia na nona bateria da terceira fase, a terceira a entrar no mar no próximo dia de competição.

LIDERANÇA DO RANKING – Adriano de Souza disputa o confronto seguinte com o australiano Adrian Buchan. Mineirinho venceu a primeira bateria do Fiji Pro esse ano e ocupa a sexta posição no ranking, uma abaixo de Gabriel Medina que fecha o seleto grupo dos top-5 do WCT. Os onze primeiros colocados começaram o campeonato com chances matemáticas de brigar pela liderança. Mas, a vitória de Kelly Slater na primeira fase já tirou dois e na quarta-feira derrubou mais dois concorrentes quando ganhou a última bateria do dia em Cloudbreak.

Restaram sete candidatos para sair de Fiji em primeiro lugar no ranking, o líder Kelly Slater e Michel Bourez do Taiti, os australianos Mick Fanning, Joel Parkinson e Taj Burrow, e os brasileiros Gabriel Medina e Adriano de Souza. A batalha pelo título mundial está acirrada e a ponta do ranking pode até ser decidida numa final entre os quatro primeiros colocados, Slater, Burrow, Parkinson e Bourez. Para Medina a chance mínima é ser semifinalista, enquanto Mineirinho só supera os 27.400 pontos já garantidos por Slater se chegar a final. Isso se Kelly Slater não vencer mais nenhuma bateria na ilha de Tavarua.

 

 
03 DE JUNHO 2014

WCT FIJI COMEÇA COM MINEIRINHO E MEDINA
AVANÇANDO A FASE 03


Os paulistas Gabriel Medina e Adriano de Souza foram os únicos brasileiros que estrearam com vitórias na quinta etapa do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour 2014 nas Ilhas Fiji. Eles passaram direto para a terceira fase na terça-feira de ondas de 3-5 pés em Cloudbreak, na ilha de Tavarua. Mas, os outros cinco têm uma segunda chance de classificação na repescagem e mais dois já estão garantidos. Isto porque dois duelos serão verde-amarelos, entre Miguel Pupo e Alejo Muniz na sétima bateria e Filipe Toledo e Jadson André na décima. Já Wiggolly Dantas, substituto do contundido Raoni Monteiro, vai encarar o defensor do título mundial, Mick Fanning, no segundo confronto eliminatório do Fiji Pro.

Adriano de Souza vencendo a primeira bateria do Fiji Pro (Foto: Steve Robertson / ASP)

Adriano de Souza vencendo a primeira bateria do Fiji Pro (Foto: Steve Robertson / ASP)

A condição do mar não era a que os melhores surfistas do mundo esperavam competir na paradisíaca ilha de Tavarua. O início do campeonato foi adiado no domingo e na segunda-feira, com a comissão técnica decidindo começar nas ondas ainda pequenas da terça-feira. Algumas baterias foram bem fracas de ondas, como a que abriu o Fiji Pro com Mineirinho ganhando por apenas 11,90 pontos nas duas notas computadas. O australiano Kai Otton ficou em segundo com 10,16 e vai ter que disputar uma rodada extra junto com o português Tiago Pires, que não achou nada de ondas para surfar na bateria.

Depois da estreia vitoriosa do Brasil com Adriano de Souza, Filipe Toledo perdeu para o campeão do Billabong Rio Pro, Michel Bourez, do Taiti. Os cabeças de chave confirmaram o favoritismo nas duas primeiras baterias, mas dois caíram para a repescagem nas disputas seguintes. O tricampeão mundial Mick Fanning ficou em último na que foi vencida pelo havaiano Fredrick Patacchia, assim como Taj Burrow no confronto australiano que terminou com vitória de um dos substitutos dos tops da elite contundidos, Mitch Coleborn.

O outro é o paulista Wiggolly Dantas, campeão do Quiksilver Saquarema Prime, que entrou na vaga do carioca Raoni Monteiro na seleção brasileira que compete em Fiji. Foi mais uma bateria fraca de ondas e Joel Parkinson pegou as melhores para vencer. Wiggolly agora vai encarar outro campeão mundial na repescagem, o defensor do título, Mick Fanning. Se vencer, avança para a terceira fase. Se perder, leva US$ 8.000 só pela participação no Fiji Pro.

MELHORES DO DIA – Kelly Slater estreou na bateria seguinte e surfou os primeiros tubaços do dia nas esquerdas de Cloudbreak. O mar sempre parece ficar melhor quando o maior ídolo do esporte está competindo. Ele fez os recordes do campeonato com a nota 8,83 da sua melhor onda e os 16,50 pontos que totalizou. Estas marcas só foram batidas pelo sul-africano Jordy Smith, que recebeu uma nota 9,20 dos juízes para atingir 17,13 pontos na melhor apresentação do dia, contra o paulista Miguel Pupo e o espanhol Aritz Aranburu.

Gabriel Medina conquistou a segunda e última vitória brasileira do dia (Foto: Kirstin Scholtz / ASP)

Gabriel Medina conquistou a segunda e última vitória brasileira do dia (Foto: Kirstin Scholtz / ASP)

Esta foi a terceira bateria seguida com o Brasil disputando classificação para a terceira fase do Fiji Pro. A série começou bem com Gabriel Medina ganhando fácil do norte-americano Kolohe Andino e do australiano Dion Atkinson por 13,44 pontos, contra 8,27 e 7,73 respectivamente. Mas, Alejo Muniz ficou em último caindo para a repescagem junto com o australiano Josh Kerr, ambos superados pelo havaiano Sebastian Zietz. Já Miguel Pupo ainda ficou em segundo contra o recordista absoluto da primeira fase, Jordy Smith.

A participação brasileira foi encerrada na penúltima bateria, com o potiguar Jadson André também amargando a última posição contra os australianos Bede Durbidge e Julian Wilson, que ganhou a vaga para a terceira fase. Os adversários dos vencedores da terça-feira serão conhecidos nos duelos homem a homem da repescagem, que ficou para abrir o próximo dia de boas ondas na ilha de Tavarua, com transmissão ao vivo pelowww.aspworldtour.com. A primeira chamada da quarta-feira foi marcada para as 7h30 em Fiji, 16h30 da terça-feira pelo fuso horário de Brasília.

—————————————————————————————

28 DE MAIO 2014

SWELL ENCOSTA EM PERNAMBUCO.


Erick Conde no CP.

Bons momentos para quem acordou cedo e correu para os fundos de areia e bancadas de pedras para aproveitar o swell que encostou nesse final de maio. Optamos pelo Surf no CP na barca do brother 
Clóvis Dantas S. Barros junto com o fotógrafo Giulianno Moroni. Boas ondas no CP apesar de Porto ter recebido as melhores ondulações. Valeu a manhã e parece que amanhã continua

CLIQUE AQUI E VEJA FOTOS DESSA QUARTA

25 DE MAIO 2014.

BRASIL FICA COM O TÍTULO DO PRIME SAQUAREMA

O paulista Wiggolly Dantas, 24 anos, acabou com o reinado australiano na Praia de Itaúna e voltou a colocar a bandeira brasileira no alto do pódio do Quiksilver Saquarema Prime apresentado por Powerade na Cidade do Surf da Região dos Lagos do Rio de Janeiro. A grande final reuniu os recordistas de nota – 9,80 – nas ondas de Itaúna esse ano, com Wiggolly ganhando a disputa pela vice-liderança no ranking do ASP Qualifying Series na decisão contra Keanu Asing, 20 anos. O havaiano impediu uma final brasileira derrotando o líder Adriano de Souza, 27, na semifinal. Mineirinho dividiu o terceiro lugar no primeiro ASP World Prime de 6.500 pontos do ano com Billy Stairmand, 24, da Nova Zelândia.

Wiggolly Dantas acabou com o jejum de vitórias brasileiras em Saquarema (Foto: Daniel Smorigo / ASP South America)

Wiggolly Dantas acabou com o jejum de vitórias brasileiras em Saquarema (Foto: Daniel Smorigo / ASP South America)

“Tenho que agradecer a Deus e todas as pessoas aqui na praia por esta vitória. Saquarema é demais, um lugar incrível, surfamos ótimas ondas durante toda a semana e estou muito feliz por ter conseguido vencer esse campeonato, especialmente por ser realizado pelo meu patrocinador, a Quiksilver”, falou Wiggolly Dantas. “Pena que não deu muita onda na final e a bateria foi bem nervosa porque ninguém tinha um high-score que fizesse a diferença. Então, qualquer um poderia ter vencido e fiquei ali ansioso com as ondas que ele (Keanu Asing) surfou nos minutos finais, uma atrás da outra. Mas, felizmente ele não conseguiu a nota que precisava e o título ficou comigo”.

A grande final do Quiksilver Saquarema Prime começou as 13h00 com a praia lotada torcendo por uma vitória brasileira, que não acontecia em Saquarema desde que a etapa virou ASP Prime em 2011. A última tinha sido em 2010 com Willian Cardoso na decisão catarinense com Marco Polo, depois os australianos dominaram o alto do pódio até o ano passado. Keanu Asing surfou a primeira onda da bateria, mas era fraca e a prioridade de escolha ficou para o brasileiro. Wiggolly demorou um pouco e começou melhor, com uma manobra forte antes da onda fechar inteira para largar na frente com nota 5,00, contra 2,17 do havaiano.

Keanu logo pega outra esquerda e arrisca tudo na primeira manobra, mas não completa para a vibração da torcida na praia. Os dois ficaram pegando ondas ruins, que fechavam rápido, até Wiggolly Dantas achar uma direita em pé pra mandar duas manobras de backside e ganhar nota 6,17 dos juízes, aumentando a vantagem sobre o havaiano para 8,07 pontos. Keanu logo diminuiu a diferença quando fez sua primeira onda boa que valeu 5,60. Com isso, ficou precisando de 5,58 nos dez minutos finais.

O havaiano não desistiu e chegou perto da virada em três ondas seguidas. Na que surfou quando faltavam 3 minutos, a nota saiu 5,30. Na seguinte ficou perto de novo, com os juízes dando 5,47. Enfim, para alívio do brasileiro, continuava precisando de 5,58 pontos. O tempo foi passando e Keanu ainda pegou uma última onda no minuto final, chegou a levantar os braços na finalização, vibrando por achar que poderia vencer com ela. A praia ficou em suspense para a nota dessa onda, que saiu 5,10 e a vitória brasileira foi confirmada por 11,17 a 11,07 pontos.

“Obrigado Brasil, obrigado Saquarema e todas as pessoas que lotaram a praia quase todos os dias. Esse lugar é especial, tem altas ondas, então parabéns ao Wiggolly (Dantas) que mereceu vencer também”, disse Keanu Asing. “Eu gostaria de ter vencido também, mas o segundo lugar é um ótimo resultado nessa minha busca por uma vaga no WCT. Certamente saio daqui muito mais confiante e animado em batalhar por este objetivo. Sei que a temporada está só começando, mas começar bem o ano também é muito bom”.

Podio da vitória brasileira de Wiggolly Dantas no Quiksilver Saquarema Prime 2014 (Foto: Daniel Smorigo / ASP South America)

Podio da vitória brasileira de Wiggolly Dantas no Quiksilver Saquarema Prime 2014 (Foto: Daniel Smorigo / ASP South America)

Na semifinal contra Adriano de Souza, o havaiano Keanu Asing, que chegou no Brasil em 28.o lugar e sai em terceiro no ranking, começou forte numa esquerda da série. Ele aplicou duas manobras fortes, mais uma na junção pra finalizar e arrancar nota 10 de dois dos cinco juízes. Mas, a média ficou em 9,80, igualando a maior nota do campeonato do tubaço de Wiggolly Dantas na quarta de final contra o neozelandês Ricardo Christie. Mineirinho tinha vencido bem o duelo brasileiro com Jadson André pelas quartas de final, mas não foi bem nas primeiras ondas que escolheu contra o havaiano. Ele só surfou uma onda boa, nota 8,07, sendo derrotado por 17,30 a 14,67 pontos.

“Eu tentei o meu melhor, mas o havaiano tem todo o mérito em estar na final porque surfou muito bem o campeonato inteiro”, disse Adriano de Souza.“Infelizmente eu não consegui me achar lá dentro, perdi uma boa oportunidade que ele (Keanu Asing) aproveitou e numa fase que estamos, na semifinal, qualquer vacilo pode ser fatal. Mas, no geral estou muito feliz por ter competido aqui neste palco, o Maracanã do surfe brasileiro, espero que a galera tenha curtido minha presença no campeonato e agora vamos pra Fiji, onde chego bem mais confiante depois de ter surfado bem aqui”.

BATALHA PELO SEGUNDO LUGAR – No domingo, a grande batalha foi pelo segundo lugar no ranking do ASP Qualifying Series, pois Adriano de Souza já havia garantido a liderança em Saquarema. No último dia, esta briga começou com um confronto direto entre o neozelandês Billy Stairmand e Charles Martin, da ilha Guadalupe. Stairmand venceu e assumiu a vice-liderança, que depois perdeu para Wiggolly Dantas em outro duelo direto pelo segundo lugar nas semifinais. Aliás, Wiggolly foi o carrasco da Nova Zelândia no último dia, pois já tinha despachado Ricardo Christie com um tubo incrível que arrancou a maior nota do campeonato, 9,80.

O vice-líder do ranking só foi definido mesmo na grande final do Quiksilver Saquarema Prime, pois quem vencesse o campeonato ficaria com a segunda posição, que ficou para Wiggolly Dantas. Mesmo assim, Keanu Asing festejou o salto na tabela de classificação, do 28.o para o terceiro lugar. Ele foi um dos três surfistas que entraram na lista dos dez indicados pelo ASP Qualifying Series para a elite dos top-34 do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour em Saquarema. Os outros foram o neozelandês Ricardo Christie e o brasileiro Alex Ribeiro.

O Powerade apresenta Quiksilver Saquarema Prime foi realizado pela Associação Brasileira de Surf Profissional (ABRASP) com patrocínio da Lei de Incentivo ao Esporte da Secretaria de Esporte e Lazer do Governo do Estado do Rio de Janeiro, Prefeitura Municipal de Saquarema, Powerade, Quiksilver, Peugeot e Barra GR Higiene e Limpeza, além do apoio da CCR Via Lagos, Federação de Surf do Estado do Rio de Janeiro (FESERJ) e Associação de Surf de Saquarema (ASS). O evento foi homologado pela ASP South America como primeira etapa do ASP World Prime 2014 com premiação de 250 mil dólares valendo 6.500 pontos no ASP Qualifying Series e 1.000 pontos para o ranking sul-americano da ASP South America.
 

FINAL DO QUIKSILVER SAQUAREMA PRIME APRESENTADO POR POWERADE:

Campeão: Wiggolly Dantas (BRA) por 11,17 pontos (5,00+6,17) – US$ 40.000 e 6.500 pontos

Vice-campeão: Keanu Asing (HAV) por 11,07 (notas 5,60+5,47) – US$ 20.000 e 5.200 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 11.000 e 4.225 pontos:

1.a: Keanu Asing (HAV) 17.30 x 14.67 Adriano de Souza (BRA)

2.a: Wiggolly Dantas (BRA) 13.17 x 7.70 Billy Stairmand (NZL)
 

G-10 DO ASP QUALIFYING SERIES 2014 – após a 9.a etapa em Saquarema:

1.o: Adriano de Souza (BRA) – 10.789 pontos e Top-22 do WCT para 2015

2.o: Wiggolly Dantas (BRA) – 8.630

3.o: Keanu Asing (HAV) – 6.566

4.o: Billy Stairmand (NZL) – 6.515

5.o: Charles Martin (GLP) – 6.036

6.o: Tomas Hermes (BRA) – 5.578

7.o: Matt Banting (AUS) – 5.029

8.o: Alex Ribeiro (BRA) – 4.100

9.o: Ricardo Christie (NZL) – 3.950

10: Nathan Hedge (AUS) – 3.870

Quarta Feira 21 de maio 2014.

PRIME SAQUAREMA CONTINUA BOMBANDO



Filipe Toledo avança ao round 03. Foto/ Daniel Smorigo./ ASP

Um novo campeão do Quiksilver Saquarema Prime será conhecido esse ano na etapa apresentada pela Powerade, pois o único que ainda poderia conquistar um segundo título era Willian Cardoso, que foi barrado no primeiro confronto da quarta-feira na Praia de Itaúna. Apesar da derrota do catarinense, os brasileiros fizeram bonito e são maioria com doze surfistas entre os 28 competidores de dez países que se classificaram no segundo dia da etapa mais importante do ano no ASP Qualifying Series. O cenário ficou perfeito para um campeonato, com ótimas ondas de 3-4 pés, Sol e um bom público na praia para assistir mais dezessete baterias das 8h00 as 17h00 na "Cidade do Surf" da Região dos Lagos do Rio de Janeiro.


Ficaram restando apenas duas para fechar a segunda fase e três brasileiros vão abrir a quinta-feira contra o australiano Perth Standlick, o local de Saquarema, Raoni Monteiro, o também carioca Lucas Silveira da equipe Quiksilver e o baiano Marco Fernandez. Na última, o havaiano Sebastian Zietz que arrancou a maior nota do Quiksilver Saquarema Prime esse ano, 9,77, enfrenta o igualmente top do WCT, Aritz Aranburu, da Espanha, o norte-americano Tanner Gudauskas e o brasileiro Hizunomê Bettero, que também surfou uma das melhores ondas da manhã na Praia de Itaúna, nota 9,03.

"Estou bem tranquilo e competir em casa é bom demais, tenho tudo a meu favor", disse Raoni Monteiro, que estreou com vitória na quinta bateria do dia, ainda pela primeira fase da competição. "Itaúna sempre dá altas ondas, minhas pranchas estão boas e eu só quero ir passando baterias como nos outros campeonatos que eu disputei aqui em Saquarema. A previsão é de que o mar vai subir e pode até aumentar o vento, mas vai continuar dando altas ondas durante a semana toda. O swell está de sul-sudeste que dá mais direita aqui em Itaúna e fica bom porque entram umas esquerdas boas também, ou seja, têm altas ondas para os dois lados. Foi um dia perfeito".

Raoni é um dos quatro brasileiros que estão nas duas últimas baterias da segunda fase que ficaram para abrir a quinta-feira na Praia de Itaúna. Mas, oito já avançaram para a rodada dos 24 melhores, com duas chances de classificação para as oitavas de final do Quiksilver Saquarema Prime. As baterias mudam para três competidores e os vencedores passam direto, mas os perdedores têm uma segunda chance na repescagem, quando os duelos passam a ser homem a homem, sistema de disputa que prossegue até a grande final.

O primeiro a garantir seu nome foi o paulista Alex Ribeiro, que aumentou o recorde de pontos da primeira fase para 17,37 pontos. Esta marca ainda foi batida duas vezes, pelo norte-americano Patrick Gudauskas que fez 17,50 na terceira bateria desta segunda fase e pelo neozelandês Billy Stairmand, que atingiu 17,63 pontos no confronto que fechou a quarta-feira de ótimas ondas na Praia de Itaúna. Já quem chegou mais perto da nota 9,77 do havaiano Sebastian Zietz foi o paulista Filipe Toledo, que recebeu 9,57 numa onda finalizada com um aéreo sensacional.

"Eu fiquei vendo as baterias antes da minha e notei que a galera estava indo mais para as esquerdas, mas tinham altas direitas entrando também, então já entrei focado nelas", disse Filipe Toledo. "Eu fui o último a entrar no mar e já dei a volta em toda a galera pra poder pegar a prioridade (de escolha da onda) no pico das direitas. Já comecei bem a bateria com um 9,57 que finalizei com um aéreo muito bom, depois peguei uma esquerda boa que fiz um 7,33 e estou bastante confiante para a próxima fase porque esse lugar é demais, dá altas ondas sempre".

DOBRADINHAS BRASILEIRAS - Depois da vitória de Filipe Toledo sobre o sul-africano Beyrick De Vries, o costa-ricense Carlos Muñoz e o também paulista Caio Ibelli, mais dois brasileiros se classificaram em uma bateria 100% verde-amarelo na segunda fase. Os quatro surfaram bem, mas o potiguar Jadson André e o catarinense Tomas Hermes levaram a melhor sobre o capixaba Krystian Kymerson e o paranaense Peterson Crisanto, que acabou saindo do grupo dos dez surfistas que o ASP Qualifying Series indica para completar os top-34 do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour.

"Ontem (terça-feira) eu tive uma bateria muito difícil que passei somando 8,60 pontos. Depois assisti a bateria do Peterson (Crisanto), do Krystian (Kymerson) e do Tomas (Hermes), todos fizeram mais de treze pontos, então eu sabia que teria que começar bem a bateria", falou Jadson André. "Só que eles também começaram muito forte, o Tomas com nota 6,60, o Peterson com 7,5 e o Krystian também com nota boa, então a prioridade (de escolher a próxima onda) ficou pra mim e eu tinha que escolher bem pra ficar no mesmo nível deles. Graças a Deus achei aquela esquerda pra começar com 8,33 que foi decisiva para vencer a bateria".

Outra dobradinha brasileira foi consumada pelo líder do ranking do ASP Qualifying Series, Adriano de Souza, com o cearense Heitor Alves, que despacharam o peruano Gabriel Villaran e o australiano Davey Cathels. Não entraram muitas ondas na bateria e Mineirinho usou toda a sua experiência para manter a tranquilidade e foi preciso, surfando praticamente as duas ondas que são computadas no resultado. A primeira foi uma esquerda que valeu nota 7,33 e a outra foi uma direita da série que ele detonou com várias manobras executadas com pressão e velocidade para tirar 9,10 dos juízes e vencer por 16,60 pontos.

"Não deu muita onda na bateria e isso acabou dificultando bastante a gente, mas fiquei esperando pelas minhas ondas e trabalhei um pouco no erro da galera", contou Adriano de Souza. "Eles pegaram as primeiras ondas e eu esperei por uma com qualidade porque fiquei com a prioridade. Aí consegui começar com uma onda boa e depois achar aquela salvadora no final pra vencer".


QUINTA FEIRA 15 DE MAIO 2014.

PASSEANDO PELA ORLA COPACABANA / IPANEMA.



Imagens dessa semana no Rio de Janeiro, a maior cidade do Surf Brasileiro.

CLIQUE AQUI E VEJA IMAGENS.


SEGUNDA 12 DE MAIO 2014

MICHEL E SALLY QUEBRAM A VALA DO POSTINHO
E FESTEJAM A CIDADE MARAVILHOSA.

O taitiano Michel Bourez, 28 anos, e a australiana Sally Fitzgibbons, 23, foram os campeões da etapa brasileira do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour encerrada nesta segunda-feira no Rio de Janeiro. A vitória sobre o norte-americano Kolohe Andino, 20, no Billabong Rio Pro foi a segunda de Bourez na temporada 2014, com o taitiano subindo da oitava para a quarta posição no ranking que passou a ser liderado pelo onze vezes campeão mundial Kelly Slater, 42. Já no Billabong apresenta Rio Women´s Pro, Fitzgibbons festejou o seu segundo título na Barra da Tijuca, acabando com a série de vitórias de Carissa Moore, 21, mas a havaiana se manteve em primeiro lugar no ranking, agora com a australiana assumindo a vice-liderança no Brasil.

Michel Bourez é o novo campeão do Billabong Rio Pro (Foto: Daniel Smorigo / ASP)

Michel Bourez é o novo campeão do Billabong Rio Pro (Foto: Daniel Smorigo / ASP)

“O gosto da vitória é muito bom, é como beber champanhe (risos). É alucinante esta emoção e já estava feliz só por estar aqui, melhor ainda agora depois de fazer a final com um grande amigo que é o Kolohe (Andino), um garoto que certamente estará no topo nos próximos anos”, disse Michel Bourez, sobre seu companheiro de equipe. “O Rio de Janeiro é lindo, adoro este lugar com tanta gente apaixonada pelo nosso esporte, lotando a praia todos os dias. Foi uma semana incrível e para mim acabou de forma perfeita com esta vitória, pois enfrentei grandes adversários hoje (segunda-feira) e nenhuma bateria foi fácil, pois todos surfaram muito bem também. Agora só quero ir para casa e festejar com minha família”.

O taitiano garantiu a vitória no Billabong Rio Pro logo nas duas primeiras ondas que surfou na bateria final. Kolohe Andino só acertou o aéreo que ele usou para liquidar Kelly Slater nas semifinais em sua última onda, mas já era tarde e ele não conseguiu superar os 13,84 pontos das notas 7,17 e 6,67 de Michel Bourez. O taitiano repetiu a vitória conquistada em Margaret River na Austrália e tirou o quarto lugar que o ex-líder Gabriel Medina estava ocupando no ranking. Bourez faturou 100 mil dólares pela vitória no Rio de Janeiro, enquanto o vice-campeão Kolohe Andino ficou com 40 mil dólares e saltou do 21.o para o 12.o lugar na classificação geral das quatro etapas completadas no Brasil. A próxima é nas Ilhas Fiji nos dias 1 a 13 de junho.

O campeão teve que superar adversários muito difíceis para chegar em sua segunda final no Samsung Galaxy ASP World Championship Tour 2014. Ele começou o dia batendo o campeão mundial de 2012, Joel Parkinson, 33 anos. Depois, passou pelo defensor do título do Billabong Rio Pro, Jordy Smith, 26, da África do Sul, nas quartas de final e nas semifinais acabou impedindo que o australiano Taj Burrow, 35, assumisse a liderança do ranking ao deixa-lo em terceiro lugar na Barra da Tijuca. Se ele passasse para a final, ultrapassaria os 23.400 pontos de Kelly Slater.

Já o vice-campeão Kolohe Andino teve muito trabalho para vencer o seu primeiro duelo na segunda-feira. Ele cometeu uma interferência e como penalidade só computaria uma nota contra duas do sul-africano Travis Logie. E na última onda Andino conseguiu uma nota 6,83 para seguir em frente. Depois passou pelo australiano Bede Durbidge e de novo na última onda derrotou Kelly Slater nas semifinais por uma pequena diferença de 14,73 a 14,17 pontos.

“O C. J. Hobgood me disse uma vez, quando você está perdendo muitas baterias em sequência parece ser tudo muito difícil, mas quando você está sempre vencendo parece ser muito fácil”, disse Kolohe Andino. “Tenho muitas boas lembranças do Brasil, já venci uma etapa do WQS aqui no Arpoador alguns anos atrás, quando me classifiquei para os top-34 da ASP, agora fazer minha primeira final no WCT aqui, na frente deste público todo me deixa muito feliz, porque o segundo lugar também é um bom resultado”.

NOTA 10 CONTRA O BRASIL – Slater abriu a segunda-feira com a única nota 10 do Billabong Rio Pro em um tubo incrível que surfou na primeira onda do dia. Era mais um duelo contra o brasileiro Adriano de Souza, para quem tinha perdido nas seis vezes que se enfrentaram antes. Mineirinho não achou as ondas e só pegou a sua primeira no último minuto, quando a vitória do maior ídolo do esporte já estava consolidada.

“Eu já estava cansado de perder para ele (Adriano de Souza), foram seis vezes seguidas e fiquei pensando bastante nesta situação hoje (segunda-feira) quando cheguei aqui na praia”, disse Kelly Slater. “O mar é muito imprevisível aqui e foi louco ver aquela onda vindo para mim do nada. Nunca imaginei pegar um tubo como aquele hoje nesse mar, mas dropei e só rezei para ter um lugarzinho pra sair na boca do tubo. Acho que fui atendido, depois de tantas fechadeiras que peguei nessa semana”.

A derrota de Adriano marcou a saída do Brasil da disputa do título no Rio de Janeiro, mas Mineirinho se manteve em sexto lugar no ranking. Já Gabriel Medina, que foi barrado na terceira fase pelo sul-africano Travis Logie, caiu da primeira para a quinta posição. Além deles, também estão entre os 22 primeiros colocados, que são mantidos na elite dos top-34 para o ano que vem, os também paulistas Miguel Pupo em 14.o e Filipe Toledo em vigésimo lugar.

Sally Fitzgibbons festeja segunda vitória no Rio de Janeiro (Foto: Daniel Smorigo / ASP)

Sally Fitzgibbons festeja segunda vitória no Rio de Janeiro (Foto: Daniel Smorigo / ASP)

DECISÃO FEMININA – Entre as meninas, a havaiana Carissa Moore chegou como favorita em sua terceira final consecutiva no Samsung Galaxy ASP Women´s Championship Tour 2014, mas a australiana Sally Fitzgibbons acabou com a série invicta da ainda líder do ranking no Billabong apresenta Rio Women´s Pro para festejar a sua primeira vitória na temporada. As duas já venceram a etapa brasileira quando ela retornou para o Rio de Janeiro, com a havaiana sendo campeã em 2011 e a australiana em 2012. Fitzgibbons também foi finalista no ano passado, quando perdeu a decisão do título para a também australiana Tyler Wright.

Esta derrota foi vingada por Sally na semifinal e na final ela já largou na frente, destruindo uma boa onda no Postinho com várias manobras para arrancar uma nota 9,27 dos juízes, a maior da bateria. Carissa Moore também começou bem com nota 8,5, mas logo Fitzgibbons surfou outra ótima onda que valeu nota 7,00 e não perdeu mais a liderança. A havaiana ainda tentou a virada algumas vezes, mas não conseguiu superar os 16,27 pontos de Sally Fitzgibbons, desta vez terminando como vice-campeã com 14,67 pontos depois de duas vitórias consecutivas.

“É um sentimento incrível este, pois estou caçando uma vitória há bastante tempo e a Carissa (Moore) começou bem com um 8,5, então eu sabia que precisava manter a paciência porque estava confiante no meu surfe. Além disso, vencer aqui no Rio de Janeiro de novo é muito especial”, disse Sally Fitzgibbons. “Trabalhei bastante para conseguir vencer de novo, principalmente depois de Bells Beach. Foquei em corrigir os erros cometidos nas três etapas da Austrália e esse título é definitivamente uma recompensa pelo trabalho duro antes de vir para o Brasil”.

Com o título no Billabong apresenta Rio Women´s Pro, Fitzgibbons subiu do quarto para o segundo lugar no ranking com os 10.000 pontos conquistados no Rio de Janeiro. A australiana ainda faturou o prêmio máximo de 60 mil dólares, enquanto a havaiana ficou com 25 mil dólares e 8.000 pontos, mantendo uma boa vantagem na liderança da corrida pelo título mundial com 34.500 pontos nas quatro etapas completadas no Brasil, contra 28.200 da nova vice-líder, Sally Fitzgibbons.

“Não posso dizer que não é bom ser ainda a primeira no ranking, mas chegar assim tão perto de uma vitória é um pouco frustrante não ganhar”, disse Carissa Moore. “Eu queria muito ter vencido de novo aqui no Rio de Janeiro, como três anos atrás. Claro que estou chateada por não ter conseguido, mas tudo bem, competição é assim mesmo”.

 

FINAL DO BILLABONG RIO PRO:

Campeão: Michel Bourez (TAH) por 13,84 pontos (7,17+6,67) – US$ 100.000 e 10.000 pontos

Vice-campeão: Kolohe Andino (EUA) com 10,93 (notas 5,93+5,00) – US$ 40.000 e 8.000 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 20.000 e 6.500 pontos:

1.a: Kolohe Andino (EUA) 14.73 x 14.17 Kelly Slater (EUA)

2.a: Michel Bourez (TAH) 15.30 x 12.33 Taj Burrow (AUS)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com US$ 15.000 e 5.200 pontos:

1.a: Kelly Slater (EUA) 14.50 x 12.37 Nat Young (EUA)

2.a: Kolohe Andino (EUA) 12.44 x 7.40 Bede Durbidge (AUS)

3.a: Michel Bourez (TAH) 16.83 x 11.67 Jordy Smith (AFR)

4.a: Taj Burrow (AUS) 15.66 x 7.20 Sebastian Zietz (HAV)

QUINTA FASE – REPESCAGEM – Vitória=Quartas de Final / Derrota=9.o lugar com US$ 12.500 e 4.000 pontos:

1.a: Kelly Slater (EUA) 15.50 x 3.73 Adriano de Souza (BRA)

2.a: Kolohe Andino (EUA) 8.30 x 6.50 Travis Logie (AFR)

3.a: Michel Bourez (TAH) 8.60 x 8.10 Joel Parkinson (AUS)

4.a: Josh Kerr (AUS) 11.76 x 8.17 Sebastian Zietz (HAV)

FINAL DO BILLABONG apresenta RIO WOMEN´S PRO:

Campeã: Sally Fitzgibbons (AUS) por 16,27 pontos (9,27+7,00) – US$ 60.000 e 10.000 pontos

Vice-campeã: Carissa Moore (HAV) com 14,67 (notas 8,50+6,17) – US$ 25.000 e 8.000 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 15.000 e 6.500 pontos:

1.a: Carissa Moore (HAV) 17.97 x 6.00 Lakey Peterson (EUA)

2.a: Sally Fitzgibbons (AUS) 15.17 x 9.80 Tyler Wright (AUS)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com US$ 12.250 e 5.200 pontos:

1.a: Lakey Peterson (EUA) 13.47 x 13.26 Pauline Ado (FRA)

2.a: Carissa Moore (HAV) 15.50 x 7.00 Alessa Quizon (HAV)

3.a: Tyler Wright (AUS) 15.37 x 14.43 Nikki Van Dijk (AUS)

4.a: Sally Fitzgibbons (AUS) 14.77 x 12.90 Coco Ho (HAV)

TOP-22 DO RANKING DO SAMSUNG GALAXY ASP WORLD TOUR 2014 – 4 etapas:

1.o: Kelly Slater (EUA) – 23.400 pontos

2.o: Taj Burrow (AUS) – 22.750

3.o: Joel Parkinson (AUS) – 22.400

4.o: Michel Bourez (TAH) – 22.250

5.o: Gabriel Medina (BRA) – 20.950

6.o: Adriano de Souza (BRA) – 19.700

7.o: Josh Kerr (AUS) – 17.750

8.o: Mick Fanning (AUS) – 17.450

9.o: Nat Young (EUA) – 16.150

10: Jordy Smith (AFR) – 14.900

11: Bede Durbidge (AUS) – 13.950

12: Kolohe Andino (EUA) – 12.000

13: Julian Wilson (AUS) – 11.750

14: Miguel Pupo (BRA) – 11.450

15: John John Florence (HAV) – 10.500

16: C. J. Hobgood (EUA) – 9.200

16: Sebastian Zietz (HAV) – 9.200

16: Owen Wright (AUS) – 9.200

19: Fredrick Patacchia (HAV) – 9.000

20: Filipe Toledo (BRA) – 8.000

20: Adam Melling (AUS) – 8.000

20: Mitch Crews (AUS) – 8.000

——-outros brasileiros:

24: Jadson André (BRA) – 5.750 pontos

30: Alejo Muniz (BRA) – 3.250

34: Raoni Monteiro (BRA) – 2.000

TOP-10 DO RANKING DO SAMSUNG GALAXY ASP WOMEN´S TOUR 2014 – 4 etapas:

1.a: Carissa Moore (HAV) – 34.500 pontos

2.a: Sally Fitzgibbons (AUS) – 28.200

3.a: Tyler Wright (AUS) – 27.700

4.a: Stephanie Gilmore (AUS) – 24.750

5.a: Lakey Peterson (EUA) – 19.950

6.a: Malia Manuel (HAV) – 18.900

7.a: Bianca Buitendag (AFR) – 18.250

8.a: Courtney Conlogue (EUA) – 15.450

8.a: Coco Ho (HAV) – 15.450

10: Laura Enever (AUS) – 14.250

 


SEXTA FEIRA 09 DE MAIO 2014

HALLEY BATISTA VENCE A
SEGUNDA ETAPA DO PERNAMBUCANO



HALLEY- O COMETA- BATISTA, destruindo tudo. Foto/ Claudio Damangar/ ANS

Numa bateria eletrizante o local de Maracaípe Halley Batista venceu a segunda etapa do 

Pernambucano 2014 que aconteceu nessa quinta e sexta na Praia do Cupe em Porto de Galinhas.
Formou a bateria o local Cesar Aguiar - o Molusco que ficou com a quarta colocação o
paraibano Raphael Seixas, atual Campeão paraibano em terceiro lugar e o cearense
que destoe, Michel Roque foi o vice-campeão. Halley usou todo seu repertório de aéreos para
vencer mais uma competição marcante na sua vitoriosa carreira. Lembrando que essa etapa também
é válida pelo Nordestino Pro. O evento também foi blindado com disputas emocionantes em todas
as categorias. Destaque para o Douglas José que venceu a mirim e a Junior mostrando muita evolução
e explosão nas manobras.

*Resultado Oficial da Segunda Etapa do Circuito Pernambucano de Surf. 

Pro 

1.        Halley Batista

 

2.       Michel Roque

 

3.       Rafael Seixas

 

4.       César Aguiar 

 

Open 

1.       José Francisco (PB) 

2.       Emanuel de Sousa (RN) 

3.       Ivan Silva (PE) 

4.       Tiago Silva (PE) 

 

Junior

 

1.       Douglas José (PE) 

2.       Tiago Silva (PE) 

3.       Lucas Rodrigues (PE) 

4.       Junior Chalaça (PE) 

 

Mirim 

1.       Douglas José (PE) 

2.       Cauã Nunes (PE) 

3.       Dayvison Santos (PE) 

4.       Willian Ferreira (PE) 

 

Iniciante 

1.       Cauã Nunes (PE) 

2.       Lucas Lisboa (PE) 

3.       Alex (PE) 

4.       João Victor (PE) 

 

Longboard 

1.       Reginaldo Nascimento (PE) 

2.       Romualdo Nascimento (PE) 

3.       Rafael Cavalcanti (PE) 

4.       Carlos Silveira (PE) 

 

Master

 

1.       Saulo Carvalho (PB) 

2.       Maurício Bandeira (PE) 

3.       Gilberto Araujo (AL) 

4.       Washington Martins (PE) 

 

Senior

 

1.       Saulo Carvalho (PB) 

2.       Robson Silva (PE) 

3.       Manoel Assis (PE) 

4.       Tiago Machado (PB) 

 

Feminino 

1.       Chayanne 

2.       Edjane Oliveira 

3.       Ana Carolina 

4.       Ramayana Silveira

 

QUINTA FEIRA 08 DE MAIO 2014

WCT FEMININO DOMINA A QUINTA NO RIO.



Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ) - A quinta-feira amanheceu com ondas menores do que no primeiro dia e a repescagem do Billabong Rio Pro foi adiada, mas as meninas competiram em duas rodadas completas do Billabong apresenta Rio Women´s Pro. A havaiana Carissa Moore, a norte-americana Lakey Peterson e as australianas Tyler Wright e Sally Fitzgibbons, que decidiram o título da etapa brasileira do Samsung Galaxy ASP Women´s Championship Tour no ano passado, já se classificaram para as quartas de final. Mas, o grande destaque do dia foi o aéreo que a brasileira Silvana Lima acertou para despachar a pentacampeã mundial Stephanie Gilmore com a maior nota do campeonato, 9,10.

"Eu arrisquei tudo na manobra porque estava precisando de uma nota alta, oito e pouco, então se eu optasse por fazer batidas e rasgadas não iria tirar essa nota dos juízes, então arrisquei tudo mesmo", contou Silvana Lima, que registrou novos recordes no Billabong apresenta Rio Women´s Pro para virar o placar contra a atual vice-líder do ranking mundial para 15,43 a 15,10 pontos. "Eu não gostaria de ter que disputar uma bateria com a Stephanie (Gilmore), porque sempre torci muito para ela, está brigando pelo título mundial de novo e é uma inspiração para mim e para todas as atletas".

Com a derrota sem vencer nenhuma bateria no Rio de Janeiro, Stephanie Gilmore já perdeu a vice-liderança no ranking para a também australiana Tyler Wright, que defende o título de campeã da etapa brasileira no Postinho da Barra da Tijuca e já passou para as quartas de final na segunda rodada de baterias na quinta-feira. Nesta fase, Silvana Lima foi batida pela norte-americana Lakey Peterson, que aumentou o recorde de pontos do campeonato para 17,13. Mas, a brasileira ainda tem uma segunda chance de classificação na repescagem que vai disputar contra a francesa Pauline Ado.

A cearense arriscou o aéreo de novo, mas não completou e ficou em segundo lugar na bateria que abriu a disputa por vagas nas quartas de final, com a havaiana Malia Manuel ficando em terceiro. "O aéreo é uma carta que eu tenho na manga. Tenho treinado muito essa manobra que poucas meninas fazem, até porque é bem difícil para nós. Bom que consegui acertar um na hora que eu precisava mesmo. Agora eu perdi, mas ainda tem a repescagem para tentar chegar nas quartas de final e vou entrar com tudo para enfrentar a Pauline Ado", prometeu Silvana.

LIDERANÇA CONFIRMADA - A segunda vaga direta para as quartas de final foi conquistada pela atual campeã mundial e líder isolada do ranking 2014, Carissa Moore. Ela totalizou 13,23 pontos para superar os 11,83 da também havaiana Alessa Quizon e os 8,67 da francesa Pauline Ado. Com a classificação, Carissa Moore já não perde mais a liderança do ranking no Brasil e segue firme na busca pelo tricampeonato mundial no Samsung Galaxy ASP Women´s Championship Tour 2014.

"Eu entrei na bateria para fazer o meu melhor e estou feliz por ter passado direto para as quartas de final, mas todas as meninas surfaram muito bem hoje (quinta-feira) aqui", disse Carissa Moore. "Eu fiquei surpresa em ver a Stephanie (Gilmore) perder mais cedo, mas a Silvana (Lima) mostrou que está em ótima forma e é muito bom vê-la de novo dando show para todos. Ela esteve no WCT por muitos anos e sei que estará de novo com a gente ano que vem, pois tem muita experiência e foi uma pena ter se lesionado nos dois joelhos. Realmente é muito bom vê-la surfando como antes".

As finalistas do Rio Women´s Pro no ano passado conquistaram as duas últimas vagas para as quartas de final disputadas na quinta-feira. A defensora do título, Tyler Wright, ganhou um confronto 100% australiano contra Laura Enever e Nikki Van Dijk, enquanto Sally Fitzgibbons mandou duas havaianas para a repescagem, Coco Ho e Tatiana Weston-Webb. Em entrevistas, Sally afirmou que foi finalista em todas as etapas que participou no Brasil e quer fazer mais uma esse ano.

"Foi uma boa bateria, difícil, com as meninas surfando muito bem", destacou Sally Fitzgibbons. "Já tive boas batalhas com a Coco (Ho), fizemos uma final aqui no Rio de Janeiro alguns anos atrás e foi isso que fiquei pensando lá dentro do mar. As ondas estão um pouco difíceis hoje (quinta-feira), mas no resumo foi legal o dia e espero que as condições melhorem nos próximos dias, pois já estou ansiosa para chegar logo as quartas de final".

Tyler Wright também comentou sobre a sua vitória no penúltimo confronto do dia no Postinho da Barra da Tijuca. "Foi até estranho que entraram muitas ondas na minha bateria e estou amarradona por ter achado algumas boas para me classificar para as quartas de final", disse a australiana. "Para mim, não importa a condição do mar, do vento, eu só quero mesmo é surfar o melhor que posso nas baterias para tentar conseguir outro bom resultado aqui".

CHAMADA DA SEXTA-FEIRA - Como em todos os dias, a comissão técnica volta a se reunir as 6h30 da manhã na sexta-feira para analisar as previsões e checar as condições do mar na Barra da Tijuca. Aí decidem se a competição vai começar as 7h00 com a repescagem masculina, ou se continua com as meninas, ou ainda se será adiada para aguardar por ondas melhores. A etapa brasileira do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour ainda tem prazo até o dia 18 para ser encerrada na capital do Rio de Janeiro. 

TERÇA FEIRA 06 DE MAIO 2014

PATRICK TAMBERG CHEGA PARA DEFENDER A
LIDERANÇA DO PERNAMBUCANO 2014.




O Local de Fernando de Noronha já esta em Pernambuco para defender a liderança do estadual uma vez que foi o campeão da primeira etapa que aconteceu no seu quintal de casa na Cacimba do Padre.

O Pernambuco Summer Festival chega ao Município de Ipojuca, trazendo para vários locais de Porto de Galinhas, diversas modalidades esportivas. Surf, Longboard, Stand Up Race, MMA, Corrida de rua, Corrida de Jangada e Slackline.
Serão quatro arenas onde acontecerão atividades simultâneas entre os dias 07 e 11 de Maio sendo o primeiro, o dia reservado para o meeting técnico, inscrições e chegada dos atletas.
A ideia de convergência entre esportes com adeptos tão similares, vem se mostrando um grande sucesso e quebrando recordes de público, além de proporcionar a oportunidade de contato com diversos esportes para atletas e simpatizantes que em outro evento, dificilmente conseguiriam.
O Pernambuco Summer Festival trará para Ipojuca o turismo esportivo de qualidade e o desenvolvimento de diversas modalidades amadoras e profissionais com eventos de nível estadual e nacional.
Surf – Segunda etapa do Circuito Pernambucano
Depois da eletrizante primeira etapa em Fernando de Noronha, Patrick Tamberg assume a liderança do circuito 2014 e terá agora a primeira chance de defender esta posição e se isolar na frente. A Segunda etapa do Circuito Pernambucano de Surf abre o Festival nos dias 8 e 9 de maio, esta também será válida pela segunda etapa do Circuito Nordestino de Surf e acontece na Praia do Cupe, no Pico do Lobo.
A categoria PRO / AM MASCULINO cai no mar pela premiação de R$ 10.000,00. Já as categorias OPEN e MASTER tem premiação de Prancha, kits e troféu. As categorias FEMININAS, LONGBOARD, SENIOR, JUNIOR, MIRIM e INICIANTE concorrem a Bloco, kits e troféu.
INSCRIÇÕES
• PRO MASCULINO R$ 130,00
• CATEGORIAS AMADORAS R$ 70,00
Vagas limitadas.
Informações: 81 9282 5177 / 81 8525 9168
Longboard – Primeira Etapa do Circuito Brasileiro de Longboard
A primeira etapa do Circuito Brasileiro de Longboard acontece nos dias 10 e 11 de maio também na praia do Cupe e este ano contará pontos para o ranking da Confederação Brasileira de Surf (CBS). 
As categoria PRO MASCULINO, com inscrição de R$ 130,00, concorrerá a uma premiação de R$ 10.000.00.
A categoria OPEN, com inscrição de R$ 100,00, concorre a Prancha, kits e troféus.
A categoria JUNIOR, exige uma inscrição de R$ 50,00 para concorrer à premiação de Kits e troféus.
Na categoria MASTER, a inscrição é de R$ 100,00 para concorrer à premiação de pranchas, kits e troféus.
A SUPER MASTER pagará uma premiação de kit e troféus e a inscrição é de R$ 100,00.
O surf feminino vem se mostrando cada vez mais presente nas praias do litoral nordestino e abrindo um novo horizonte de possibilidades e novos nomes que poderão estar defendendo as cores de seus respectivos estados. Com o objetivo incentivar ainda mais a prática do longboard entre as meninas, a primeira etapa do Circuito Brasileiro de Longboard terá inscrições gratuitas.
Desta feita, a ANS (Associação Nordestina de Surf) e a FESURPE (Federação Pernambucana de Surf) espera poder também proporcionar uma primeira experiência em competições para as meninas que ainda não a tiveram.
A premiação será de Kits, Blocos e troféus.
Informações
Email: ansgeraldinho@hotmail.com, anssurf@hotmail.com, parafajsp@hotmail.com 
O pagamento será feito na praia com o Tour Manager Carlos Abdalla e Bruno Cavalcanti.

O Pernambuco Summer Festival é uma realização da ANS (Associação Nordestina de Surf) em parceria com a Empetur, Governo de Pernambuco, Secretaria de Turismo, Prefeitura de Ipojuca e Secretaria Especial de Juventude e Esportes de Ipojuca.
Conta ainda com o apoio da CBS (Confederação Brasileira de Surf), Federação Pernambucana de Surf, Marands, Gold Island, Real Magia, Teccel.



SEGUNDA 05 DE MAIO 2014

O SURF VOLTOU EM PERNAMBUCO.



Rafinha no quintal de casa abrindo a temporada.

Esse começo de maio vai ficar marcado pelas volta das ondas em Pernambuco. Depois de longo período sem ondulações a temporada deu as caras com terral e muito crowd. Todos os principais picos receberam uma quantidade impressionante de surfistas querendo tirar o atraso. Logo cedo nesse sábado (o3/05) na Enseada dos Corais (5:47 da matina) já havia 65 cabeças disputando as ondas, teve equipe que dormiu no carro para entrar primeiro na água. Relatos informam que em Porto de Galinhas, o surf também foi clássico. O Surf voltou vamos aproveitar. 

CLIQUE E VEJA FOTOS 


SÁBADO 03 DE MAIO 2014

SILVANA VENCE E ASSUME A PONTA

A cearense Silvana Lima venceu a etapa do ASP 6-Star da Nova Zelândia e assumiu a liderança no ranking do WQS em sua busca para retornar ao grupo de elite do Samsung Galaxy ASP Women´s Championship Tour. A vitória foi garantida com a nota 8 que a brasileira conseguiu quando restavam três minutos para o término da final disputada no domingo contra a australiana Laura Enever em Fitzroy Beach. O título no Port Taranaki Pro NZ Home Loans Surf Festival valeu um prêmio de 8.000 dólares e 3.500 pontos para a cearense, que subiu da sexta para a primeira posição no ranking do ASP Women´s Qualifying Series 2014.

Silvana Lima destruindo as ondas de Fitzroy Beach (Foto: Steve Robertson / ASP)

Silvana Lima destruindo as ondas de Fitzroy Beach (Foto: Steve Robertson / ASP)

Com isso, o Brasil agora lidera três dos quatro rankings mundiais da ASP. Gabriel Medina está na frente da corrida pelo título do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour desde a sua vitória na etapa que abriu a temporada 2014 na Gold Coast. Também na Austrália, Adriano de Souza venceu a etapa do ASP 6-Star de Sydney para assumir a dianteira no ASP Qualifying Series, mesmo ranking que Silvana Lima passou a ser a número 1 com a vitória na Nova Zelândia. Só no WCT feminino que a havaiana Carissa Moore ocupa o primeiro lugar, mas não tem nenhuma brasileira entre as top-17 deste ano.

“Eu não fazia uma final há três anos por causa da minha lesão no joelho e é muito bom estar de volta ao pódio”, disse Silvana Lima. “Este foi um grande resultado para mim. Eu não gosto do frio, mas amo a Nova Zelândia. Estou muito feliz e quero realmente agradecer a todos neste evento e aos que torceram por mim. Estou ficando mais perto de voltar ao WCT, mas preciso continuar em forma e focada nos campeonatos para me manter entre as seis que sobem pelo WQS”.

Silvana Lima agora vem mais animada ainda para competir no Billabong apresenta Rio Women´s Pro, pois foi convidada para participar da etapa brasileira do Samsung Galaxy ASP Women´s Championship Tour 2014 que começa nesta quarta-feira no Postinho da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. A vice-campeã Laura Enever também vem da Nova Zelândia direto para o Brasil por ser uma das integrantes da elite atual, assim como outras cinco surfistas que competiram em Taranaki.

Silvana Lima voltando a levantar um troféu de campeã (Foto: Steve Robertson / ASP)

Silvana Lima voltando a levantar um troféu de campeã (Foto: Steve Robertson / ASP)

No último dia, a cearense ganhou dois duelos com ex-top-17 do WCT como ela no seu caminho até a decisão do título. Sua melhor apresentação foi na primeira bateria do domingo, quando recebeu uma nota 9,27 na rodada de confrontos formados por três competidoras. Silvana e a norte-americana Sage Erickson barraram a sensação do surfe da Nova Zelândia, a atual campeã mundial Pro Junior da ASP, Ella Williams. Depois, a cearense despachou a francesa Alize Arnaud nas quartas de final e a própria Sage Erickson nas semifinais.

PRÓXIMAS ETAPAS – Esta foi a sétima das treze etapas do ASP Women´s Qualifying Series 2014 e a penúltima está programada para o Brasil, o ASP 4-Star Mahalo Surf Eco Festival na Praia da Tiririca, em Itacaré, no litoral sul da Bahia. Antes dela, acontecem mais quatro provas com nível máximo 6 estrelas que praticamente vão definir as seis classificadas para o WCT feminino do ano que vem. A próxima é nos dias 16 a 22 de junho em San Jose del Cabo no Mexico, depois tem três no mês de agosto, sendo uma nos Estados Unidos nos dias 08 a 10, uma na França de 20 a 24 e uma na Espanha de 26 a 31 de agosto.

 
terça feira 29 de abril 2014
TREINO NA VALA DO LOBO
VISANDO O PERNAMBUCANO.



Palco da segunda etapa do Circuito 2014 organizado pelaFederação Pernambucana de Surf, a Vala do Lobo em porto de Galinhas estava concorrida nesse domingo. Atletas de várias categorias estavam treinando para a etapa que vale também pelo circuito Nordestino Pro e vai oferecer 10 mil reais em premiação. Essa etapa faz parte do Pernambuco Summer Festival que vai agitar as praias de Maracaipe, Cupe e Borete com várias modalidades esportivas.Com grandes nomes na Vala o domingo virou um show de surf.

CLIQUE E VEJA GALERIA DE FOTOS DO DOMINGO

QUARTA FEIRA 23 DE ABRIL 2014

CARISSA E MICK VENCEM EM BELL'S

Uma final australiana fechou o Rip Curl Pro Bells Beach nas ondas de Winkipop na quarta-feira, com o tricampeão mundial Mick Fanning derrotando Taj Burrow para badalar o sino da vitória pela terceira vez na etapa mais tradicional do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour 2014 na Austrália. Gabriel Medina perdeu o duelo brasileiro para Adriano de Souza na repescagem, mas permaneceu em primeiro lugar no ranking com a derrota de Kelly Slater e Joel Parkinson nas quartas de final. O fenômeno volta ao Brasil para defender a liderança no Billabong Rio Pro, que começa no dia 7 e vai até 18 de maio no Postinho da Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ).

Foto de Kirstin Scholtz / ASP Images

Foto de Kirstin Scholtz / ASP Images

Depois de vencer o número 1 do mundo neste início de temporada, Mineirinho acabou sendo eliminado por Taj Burrow na abertura das quartas de final, com o australiano acabando com a chance dele prosseguir na busca pelo bicampeonato no Rip Curl Pro Bells Beach. Com o quinto lugar na prova que fechou a “perna australiana” na quarta-feira de boas ondas de 4-6 pés, Adriano de Souza permaneceu em sexto lugar no ranking que continua liderado por Gabriel Medina. Isto porque Joel Parkinson e Kelly Slater, únicos que poderiam ultrapassa-lo, também foram barrados nas quartas de final, por Julian Wilson e John John Florence, respectivamente.

“Eu comecei bem a bateria, mas a segunda onda que eu peguei não era boa e o Taj (Burrow) teve a oportunidade que precisava para me vencer”, contou Adriano de Souza, que no ano passado conquistou uma vitória inédita para o Brasil no Rip Curl Pro Bells Beach. “Eu fiz o meu melhor, isso é tudo o que eu posso dizer neste momento. Agora o foco é o Brasil e já estou ansioso de que será outro bom campeonato para mim. Vamos ver o que posso fazer lá no Rio de Janeiro. Eu gostaria muito de defender o meu título aqui na final, mas estou feliz por ter avançado até as quartas de final, pois o quinto lugar também é um bom resultado”.

A confiança de Mineirinho para a etapa brasileira do Samsung Galaxy ASP World Tour é justificada pelo seu bom desempenho nas ondas da Barra da Tijuca. Nas três edições do Billabong Rio Pro na capital carioca, ele foi campeão na que marcou a volta do WCT para o Rio de Janeiro em 2011 derrotando o próprio Taj Burrow que o barrou em Bells Beach e também foi finalista no ano passado, quando acabou perdendo a decisão do título para o sul-africano Jordy Smith nas ondas do Postinho. Mas, de novo saiu do Brasil liderando o ranking mundial.

Depois de tirar o último brasileiro da disputa do título em Bells, Taj Burrow despachou o dono da única nota 10 da temporada 2014 do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour 2014, o havaiano John John Florence, que vinha embalado pela vitória sobre Kelly Slater nas quartas de final. As semifinais e a final foram transferidas do Bowl de Bells para Winkipop, onde Mick Fanning também conquistou a outra vaga na decisão na melhor bateria do campeonato. Ele e o também australiano Julian Wilson surfaram ótimas ondas e o tricampeão mundial precisou estabelecer um novo recorde de 18,20 pontos para superar os 17,36 do seu oponente.

Na última bateria do Rip Curl Pro Bells Beach 2014, Mick Fanning também começou bem com uma nota 8,00 e logo surfou uma melhor ainda que valeu 8,83. Enquanto isso, Taj Burrow falhava nas suas tentativas, mas quando conseguiu pegar uma boa, mostrou todo o seu potencial para tirar a maior nota da grande final, 9,63. Só que não achou outra para somar e acabou computando uma nota 3,83 no placar encerrado em 16,83 a 13,46 pontos. O campeão Mick Fanning faturou o prêmio máximo de 100 mil dólares e Burrow ficou com 40 mil dólares pelo vice-campeonato. Com a vitória, Fanning subiu da 11.a para a terceira posição no ranking e Burrow do nono para o quinto lugar na classificação geral das três etapas da Austrália.

“Depois do mau resultado (13.o lugar) em Margaret River, eu fui para casa e trabalhei muito duro para me recuperar aqui em Bells, então estou feliz porque valeu a pena”, disse Mick Fanning. “E quero parabenizar o Taj (Burrow), pois nunca fiquei tão nervoso na minha vida como nos 9 minutos finais da bateria. Ele surfou incrivelmente bem e o evento esse ano foi sensacional. Pudemos competir no Bowl de Bells, em Rincon e em Winkipop. Sempre foi meu sonho disputar uma bateria em Winkipop e este campeonato é muito especial para mim”.

O australiano Taj Burrow não conseguiu uma segunda vitória no Rip Curl Pro Bells Beach, mas ficou feliz com o vice-campeonato também. “Foi uma boa final com o Mick (Fanning) e vi que ele ficou tenso sabendo que eu precisava de uma nota 7. Até porque havia ondas para isso, mas eu não consegui. Não há nada melhor do que tocar o sino deste troféu especial para a carreira de qualquer surfista. Sou feliz por já ter o meu nome nele, mas eu adoraria ver ele registrado uma segunda vez. Tudo bem, não deu e agora é tentar vencer o próximo, no Brasil”.

HAVAIANA SUPERCAMPEà– Diferente da categoria masculina, o Rip Curl Women´s Pro Bells Beach terminou com uma reedição da final do ano passado e o resultado foi o mesmo, com a bicampeã mundial Carissa Moore derrotando a australiana Tyler Wright. Aliás, as duas já haviam decidido o título da etapa passada em Margaret River, que a havaiana também venceu. Com a segunda vitória consecutiva, Carissa Moore se isola na liderança do ranking, pois a pentacampeã mundial Stephanie Gilmore perdeu nas semifinais para Tyler Wright.

Gilmore agora é a vice-líder, mas seguida de perto por Tyler Wright, que vai defender o título de campeã da etapa brasileira do Samsung Galaxy ASP Women´s World Tour conquistado na final australiana do ano passado com Sally Fitzgibbons. Depois de muitos anos, nesta temporada não tem nenhuma surfista da América do Sul entre as top-17 da elite mundial feminina. No entanto, a brasileira Silvana Lima, que perdeu a vaga no WCT junto com a peruana Sofia Mulanovich no ano passado, já foi confirmada para competir como convidada nas ondas do Postinho da Barra da Tijuca, de 7 a 18 de maio no Rio de Janeiro.
 

TOP-22 NO RANKING DO SAMSUNG GALAXY ASP WORLD TOUR 2014 – 3 etapas:

1.o: Gabriel Medina (BRA) – 19.200 pontos

2.o: Joel Parkinson (AUS) – 18.400

3.o: Mick Fanning (AUS) – 16.950

4.o: Kelly Slater (EUA) – 16.900

5.o: Taj Burrow (AUS) – 16.250

6.o: Adriano de Souza (BRA) – 15.700

7.o: Josh Kerr (AUS) – 13.750

8.o: Michel Bourez (TAH) – 12.250

9.o: Nat Young (EUA) – 10.950

9.o: Miguel Pupo (BRA) – 10.950

11: Julian Wilson (AUS) – 10.000

12: Jordy Smith (AFR) – 9.700

13: John John Florence (HAV) – 8.750

13: Bede Durbidge (AUS) – 8.750

15: C. J. Hobgood (EUA) – 8.700

15: Owen Wright (AUS) – 8.700

17: Fredrick Patacchia (HAV) – 8.500

18: Adam Melling (AUS) – 7.500

19: Filipe Toledo (BRA) – 6.250

19: Mitch Crews (AUS) – 6.250

21: Kai Otton (AUS) – 4.000

21: Sebastian Zietz (HAV) – 4.000

Nesse momento Raoni, Jadson e Alejo estão fora da elite.

 


SEGUNDA 21 DE ABRIL 2014.
MEDINA X MINEIRINHO PRA VER QUEM VAI
DISPUTAR AS QUARTAS DE FINAL
 

Um duelo entre o atual líder do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour 2014 com o defensor do título do Rip Curl Pro Bells Beach define quem vai representar o Brasil nas quartas de final da etapa que fecha a “perna australiana” em Torquay. Para seguir na busca pelo bicampeonato em Bells Beach, Adriano de Souza terá que encarar o número 1 do ranking 2014, Gabriel Medina, na abertura da última repescagem do campeonato. Na segunda-feira de boas ondas de 4-6 pés para os aéreos em Bells Beach, foram conhecidos os quatro primeiros classificados para as quartas de final, os australianos Mick Fanning, Joel Parkinson e Taj Burrow, que derrotou Mineirinho, além do havaiano John John Florence, que voou alto para tirar a primeira nota 10 do ano e mandar Kelly Slater e Gabriel Medina para a repescagem.

O aéreo de John John Florence da primeira nota 10 do ano no WCT (Foto: Kelly Cestari / ASP)

O aéreo de John John Florence da primeira nota 10 do ano no WCT (Foto: Kelly Cestari / ASP)

“É muito bom ganhar uma bateria assim, ainda mais contra o (Gabriel) Medina que me tirou das duas primeiras etapas esse ano”, disse John John Florence. “Eu já comecei a ficar nervoso quando vi minha bateria, pois é assustador enfrentar caras como o Kelly (Slater) e o Gabriel (Medina). Só que o nervosismo acabou quando eu peguei aquela onda. Eu vi uma seção armando pra mandar o aéreo, o vento estava bom e me pegou para fazer o giro perfeitamente. Estou muito feliz por vencer essa bateria e por estar nas quartas de final pela primeira vez esse ano”.

Como Medina ficou em último lugar nessa bateria e Adriano de Souza em segundo na anterior, que abriu a primeira rodada classificatória para as quartas de final, os dois acabaram se encontrando na repescagem e só um poderá avançar na competição. Medina tinha passado fácil por Bede Durbidge totalizando exatos 17 pontos, que na terceira fase só foram superados pelos 17,03 do também australiano Julian Wilson na vitória sobre o brasileiro Miguel Pupo e pelos 17,44 do sul-africano Jordy Smith.

Mas, na rodada seguinte, que na maré cheia no Bowl de Bells Beach foi transferida para Rincon, não sobrou onda para o líder do ranking no confronto com Kelly Slater e John John Florence. Slater largou na frente com notas 6,67 e 7,60. O havaiano escolheu arriscar os aéreos e começou bem com nota 8,00, depois tirou 7,60 e aí sacramentou a vitória no aéreo 360 muito alto com aterrisagem perfeita que valeu a primeira nota 10 do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour 2014. John John Florence totalizou 18 pontos de 20 possíveis, contra 16,53 de Slater e apenas 11,17 de Medina, que já havia derrotado o havaiano três vezes esse ano nas etapas da Gold Coast e Margaret River.

O atual campeão do Rip Curl Pro Bells Beach, Adriano de Souza, disputou o segundo confronto da segunda-feira no Bowl de Bells Beach, contra o também brasileiro Filipe Toledo. Infelizmente, foi uma bateria fraca de ondas e Mineirinho levou a melhor por 11,20 a 10,74 pontos, o placar mais baixo do dia na Austrália. Já em Rincon, Adriano só conseguiu surfar duas ondas na primeira disputa por vaga nas quartas de final. O australiano Taj Burrow pegou quatro e na soma das duas melhores acabou vencendo por 15,57 pontos com notas 8,07 e 7,50. Mineirinho ficou em segundo com 12,10 e Adam Melling em último com 10,90.

Na penúltima bateria do dia, Joel Parkinson garantiu passagem direta para as quartas de final por 16,66 pontos, superando os 15,00 de Jordy Smith e 12,20 de Owen Wright. Já o atual campeão mundial, Mick Fanning, fechou a segunda-feira derrotando Fredrick Patacchia e Julian Wilson por 16,34 a 12,17 a 10,54 pontos, respectivamente. Fanning tenta um bom resultado neste último desafio da “perna brasileira” para entrar na briga pelas primeiras posições no ranking, pois só venceu uma bateria em Margaret River e despencou para o 11.o lugar na classificação geral das duas primeiras etapas do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour 2014.
 

DOMINGO 20 DE ABRIL 2014

BRASIL DOMINA A ARGENTINA.

Os brasileiros dominaram o Rip Curl Pro Stamina pelo segundo ano consecutivo na Argentina. Agora, até as semifinais foram 100% verde-amarelas nas ondas da Playa Grande de Mar del Plata e Alex Ribeiro foi o campeão na decisão do título contra Messias Felix (2.o lugar), Hizunomê Bettero (3.o) e Franklin Serpa (4.o). A vitória na etapa do ASP 3-Star da Argentina valeu 750 pontos para o ranking do ASP Qualifying Series e 2.000 para o sul-americano, que começa com Alex Ribeiro largando na frente na disputa pelo título do ASP South America Surf Series 2014 em Mar del Plata.

O campeão Alex Ribeiro voando na Playa Grande de Mar del Plata (Foto: Leandro Barsocchini / Proenter)

O campeão Alex Ribeiro voando na Playa Grande (Foto: Leandro Barsocchini / Proenter)

“Eu vim muito empolgado e focado para este evento, consegui me adaptar muito bem às ondas aqui da Playa Grande, especialmente a esquerda, e arrisquei manobras mais radicais e os aéreos”, disse Alex Ribeiro, que é de uma cidade com o mesmo nome, Praia Grande, na Baixada Santista. “Eu tive baterias bem difíceis hoje (domingo) aqui, mas fiz boas estratégias que funcionaram e na final estava superconcentrado para ganhar o campeonato. Estou muito feliz porque é minha primeira vitória na ASP”.

Alex Ribeiro despachou os últimos estrangeiros no domingo e faturou os 8.000 dólares oferecidos ao campeão do ASP 3-Star Rip Curl Pro Stamina por 15,60 pontos nas duas notas computadas. O bicampeão brasileiro Messias Felix terminou em segundo com 13,67 e recebeu 4.000 dólares, com Hizunomê Bettero ficando em terceiro com 12,90 e 2.500 dólares, enquanto Franklin Serpa só somou 8,77 pontos e levou 2.000 dólares pelo quarto lugar. Mesmo assim, foi um ótimo resultado no evento que começou na quarta-feira com 112 competidores de quinze países.

Os últimos surfistas de outros países foram barrados pelos brasileiros nos primeiros confrontos do Domingo de Páscoa nas boas ondas da lotada Playa Grande, no balneário argentino de Mar del Plata. O campeão Alex Ribeiro participou da primeira bateria do dia, que fechava as oitavas de final iniciadas no sábado. Ele venceu e Sidney Guimarães passou em segundo lugar, despachando o japonês Reo Inaba. Os outros dois únicos não brasileiros, Dylan Lightfoot da África do Sul e Marco Giorgi do Uruguai, perderam nas quartas de final para os dois melhores surfistas do campeonato, Alex Ribeiro e Messias Felix.

DOBRADINHA CAMPEà– Essa dobradinha campeã funcionou de novo nas semifinais, sempre com Messias em primeiro e Alex em segundo, tirando do pódio dois talentos de mais uma nova geração do surfe brasileiro, o potiguar Italo Ferreira e o cearense Michael Rodrigues. Outros dois ficaram na primeira semifinal, com os mais experientes Franklin Serpa e Hizunomê Bettero superando os paulistas Deivid Silva e Victor Bernardo.

Primeira vitória de Alex Ribeiro na ASP South America e no Circuito Mundial (Foto: Leandro Barsocchini / Proenter)

Primeira vitória de Alex Ribeiro na ASP South America (Foto: Leandro Barsocchini / Proenter)

Foi o jovem Victor Bernardo que acabou com a chance do paranaense Jihad Khodr seguir tentando o bicampeonato no Rip Curl Pro da Argentina. Ele ficou com a segunda vaga para as semifinais na bateria vencida pelo baiano Franklin Serpa e o defensor do título terminou em 13.o lugar esse ano em Mar del Plata. Os outros finalistas da decisão brasileira do ano passado, Matheus Navarro, David do Carmo e Marco Fernandez, nem conseguiram chegar no domingo.

PRÓXIMAS ETAPAS – A próxima etapa do ASP Qualifying Series também será válida pelo ASP South America Surf Series 2014 porque é no Brasil. A Powerade apresenta Quiksilver Saquarema Prime é o primeiro grande evento do ano na disputa pelas dez vagas para o grupo dos top-34 do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour. A vitória no primeiro ASP World Prime da temporada vale 6.500 pontos neste ranking de acesso para a elite mundial. Se o campeão for sul-americano, também marca 2.000 pontos no ranking do ASP South America Surf Series 2014.

Esta nova regra estipula que todas as etapas realizadas pelo escritório regional valem 2.000 pontos, independente da premiação e o seu status no ASP Qualifying Series. O objetivo da ASP South America é premiar quem mais participa das provas no continente, pois nos últimos anos o campeão sul-americano era praticamente definido no ASP World Prime de 6.500 pontos de Saquarema. Em 2013, inclusive, Gabriel Medina e Raoni Monteiro perderam nas semifinais do Quiksilver Saquarema Prime e dividiram o primeiro lugar no ranking sul-americano, com Medina faturando o seu segundo título pela melhor posição no ranking de 2012.

Depois de Saquarema, mais duas etapas estão confirmadas para fechar o ASP South America Surf Series 2014. A próxima é o ASP 3-Star Maui and Sons Arica World Star Tour, de 22 a 26 de julho nas ondas desafiadoras de El Gringo, em Arica, no Chile, que vale 750 pontos no ranking mundial do ASP Qualifying Series, como o Rip Curl Pro Stamina na Argentina. E o ASP 4-Star Mahalo Surf Eco Festival agora vai decidir o título sul-americano na Bahia, entre os dias 9 e 14 de setembro na Praia da Tiririca, em Itacaré.

FINAL DO ASP 3-STAR RIP CURL PRO STAMINA:

Campeão: Alex Ribeiro (BRA) por 15,60 pontos – US$ 8.000 e 750 pontos no ASP Qualifying Series

Vice-campeão: Messias Felix (BRA) com 13,67 – US$ 4.000 e 563 pontos

Terceiro lugar: Hizunomê Bettero (BRA) com 12,90 – US$ 2.500 e 422 pontos

Quarto lugar: Franklin Serpa (BRA) com 8,77 – US$ 2.000 e 369 pontos


SÁBADO 19 DE ABRIL 2014.
MEDINA AVANÇA AO ROUND 03, O RESTO
DA EQUIPE FOI PRA REPESCAGEM.


Depois de três dias de espera, as ondas finalmente apareceram no Sábado de Aleluia para o início do Rip Curl Pro Bells Beach na Austrália. Mesmo assim, as condições estavam difíceis nas séries de 4-6 pés, com poucas ondas boas entrando nas baterias. O líder do ranking no Samsung Galaxy ASP World Championship Tour 2014, Gabriel Medina, foi o único brasileiro que estreou com vitória e passou direto para a terceira fase num dos muitos confrontos fracos de ondas. O defensor do título de campeão desta etapa de Bells Beach, Adriano de Souza, entrou na disputa seguinte, só conseguiu surfar uma onda boa que valeu a maior nota da bateria – 7,83 – e acabou derrotado pelas 7,00 e 7,10 do australiano Owen Wright.

Gabriel Medina salvou a pátria no primeiro dia do Rip Curl Pro (Foto: Kelly Cestari / ASP)

Gabriel Medina salvou a pátria no primeiro dia do Rip Curl Pro (Foto: Kelly Cestari / ASP)

Além de Mineirinho, outros quatro brasileiros terão que encarar a repescagem iniciada no sábado em condições mais difíceis ainda na maré cheia em Bells Beach. A tentativa era realizar até a oitava bateria, mas só aconteceram as duas primeiras e a comissão técnica decidiu parar o campeonato de forma acertada. Até porque o prazo do evento ainda vai até o dia 27. Foi então marcada uma primeira chamada do domingo para as 7h00 na Austrália, 18h00 pelo fuso horário de Brasília, ao vivo pelo www.aspworldtour.com

O defensor do título do Rip Curl Pro Bells Beach, Adriano de Souza, foi escalado na quarta bateria com o norte-americano Brett Simpson, portanto a segunda do dia. No duelo seguinte, o carioca Raoni Monteiro que perdeu para o havaiano Sebastian Zietz no segundo confronto do sábado, enfrenta o australiano Kai Otton numa reedição da final do Quiksilver Saquarema Prime de 2011 na casa do brasileiro. Tanto Raoni como Simpson ainda não venceram nenhuma bateria no Samsung Galaxy ASP World Tour 2014.

Depois vêm mais dois duelos consecutivos com brasileiros. Na sétima bateria, Miguel Pupo que foi mandado para a repescagem na vitória verde-amarela solitária de Gabriel Medina na primeira fase, pega um dos estreantes da temporada, o australiano Dion Atkinson. Na oitava, entra o também paulista Filipe Toledo, que terá outro sul-africano pela frente. Ele foi derrotado por Jordy Smith e agora é contra Travis Logie. Já o potiguar Jadson André, que não achou ondas na bateria vencida pelo norte-americano C. J. Hobgood, fecha a participação brasileira no penúltimo confronto da repescagem com o havaiano Fredrick Pattachia.

PRÓXIMA NO BRASIL – Nesta terceira e última etapa da “perna australiana” do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour 2014, a seleção verde-amarela está desfalcada do catarinense Alejo Muniz, que não se recuperou da contusão no tornozelo sofrida antes do início do Drug Aware Margaret River Pro. Ele continua o tratamento para poder competir no próximo desafio que será no Brasil, o Billabong Rio Pro que terá sua base principal novamente instalada nas ondas do Postinho da Barra da Tijuca. O prazo da etapa brasileira do WCT começa em 7 de maio e vai até o dia 18 no Rio de Janeiro.

TERÇA FEIRA 15 DE ABRIL 2014.
BF NA CABEÇA

ÍTALO FERREIRA VENCE A PRIMEIRA ETAPA
DO CIRCUITO PROFISSIONAL PAULISTA.



Quero ver quem vai segurar esse Monstro.Foto : Silvia Winik / FMA Notícias

Numa final emocionante, definida no último minuto, o potiguar Ítalo Ferreira faturou a abertura do Maresia Paulista de Surf Profissional, neste domingo (13), na praia de Pitangueiras, Guarujá. Com o resultado, ele faturou R$ 8 mil de prêmio, de um total de R$ 30 mil na etapa, que reuniu 104 surfistas de 11 estados. A vitória foi valorizada pelo alto nível técnico, com o cearense bicampeão brasileiro, Messias Félix, em segundo lugar, o guarujaense campeão mundial pro júnior, Caio Ibelli, em terceiro, e o ubatubense, talento da nova geração, Arthur Aguiar, em quarto.

 

Ítalo ainda comemorou sua melhora no ranking brasileiro, encostando no atual líder Bino Lopes, da Bahia, que neste evento ficou em nono lugar. Agora, a diferença entre os dois é de apenas cinco pontos – 3.150 a 3.145. “O meu foco é o WQS, mas vou conciliar as disputas aqui no Brasil com o Circuito Mundial. Não é nada mal ser campeão paulista e tem o brasileiro”, acrescentou o surfista de 19 anos, campeão brasileiro e sul-americano pro-júnior em 2012.

 

Antes de chegar à final, Ítalo já tinha demonstrado que estava muito bem sintonizado com as ondas do pico do Canto do Maluf, garantindo a melhor atuação do evento nas quartas-de-final, com a maior nota, 9,5, e a maior somatória, 17,50 de 20 possíveis. Na final, demorou a “engrenar” e só encaixou as manobras nos minutos decisivos.


Resultados da primeira etapa do Paulista Pro 2014

 

1 Ítalo Ferreira/RN – 1.000 pontos – R$ 8.000,00

2 Messias Felix/CE – 860 pontos – R$ 5.000,00

3 Caio Ibelli/Guarujá – 730 pontos – R$ 3.200,00

4 Arthur Aguiar/Ubatuba – 670 pontos – R$ 2.600,00

5 Luciano Brulher/Caraguatatuba – 610 pontos – R$ 1.600,00

5 Marcos Corrêa/São Vicente – 610 – R$ 1.600,00

7 Hizunomê Bettero/Ubatuba – 555 pontos – R$ 1.200,00

7 Alex Ribeiro/Praia Grande – 555 pontos – R$ 1.200,00

9 Alandresson Martins/RJ – 500 pontos – R$ 800,00

9 Ícaro Rodrigues/Guarujá – 500 pontos – R$ 800,00

9 Bino Lopes/BA – 500 pontos – R$ 800,00

9 Ricardo Ferreira/Praia Grande – 500 pontos – R$ 800,00

13 Alan Donato/PE – 450 pontos – R$ 600,00

13 Gustavo Fernandes/RJ – 450 pontos – R$ 600,00

13 Rudá Carvalho/BA – 450 pontos – R$ 600,00

13 Danilo Costa/RN (Guarujá) – 450 pontos – R$ 600,00


SEGUNDA 14 DE ABRIL 2014

A PRIMEIRA VEZ NINGUÉM ESQUECE.

O Brasil segue liderando o ranking mundial com Gabriel Medina, 20 anos, com os mesmos 2.000 pontos de vantagem que tinha sobre o australiano Joel Parkinson, 32, porque ambos perderam nas quartas de final que abriram o domingo decisivo do Drug Aware Margaret River Pro na Austrália. O campeão da segunda etapa do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour 2014 foi Michel Bourez, 28, que se tornou o primeiro surfista do Taiti a vencer uma etapa do WCT. A disputa pelo prêmio máximo de 100 mil dólares foi contra o australiano Josh Kerr, 30, que barrou Gabriel Medina e terminou como vice-campeão em Margaret River como no ano passado, quando perdeu a final para o havaiano Dusty Payne, 25 anos.

Michel Bourez campeão pela primeira vez em etapas do WCT (Foto: Kelly Cestari / ASP)

Michel Bourez campeão pela primeira vez em etapas do WCT (Foto: Kelly Cestari / ASP)

“É muito bom sentir a sensação de ganhar, é um sonho se tornando realidade”, disse Michel Bourez.“Fazer a final aqui contra uma pessoa incrível como o Josh Kerr foi maravilhoso. Foi uma bateria difícil porque você nunca sabe o que ele pode fazer. E a semifinal foi como uma final também pra mim. Surfar contra o Kelly (Slater) é sempre difícil, então eu tive que empurrar mesmo o meu nível às alturas para tirar aquele 9,37. O Kelly é o maior surfista de todos os tempos e é sempre um prazer competir com ele. É um ano longo, ainda temos nove campeonatos pela frente, então preciso focar no próximo e gosto bastante da onda em Bells Beach”.

Os dois finalistas também entram na briga pelo título mundial neste início de temporada, com Josh Kerr subindo para terceiro no ranking e o campeão Michel Bourez para quarto, à frente de Kelly Slater em quinto e Adriano de Souza, que caiu do terceiro para o sexto lugar. Agora, todos voltam a atravessar a Austrália para o Rip Curl Pro Bells Beach, que começa na quarta-feira com Adriano defendendo o título de campeão da etapa e Medina a liderança do ranking no evento que tem prazo até o dia 27 de abril.

Depois das três provas da “perna australiana”, o Samsung Galaxy ASP World Championship Tour 2014 vem para o Brasil, com os melhores surfistas do mundo se apresentando no Billabong Rio Pro entre os dias 7 e 18 de maio nas ondas do Postinho da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Em Margaret River, o único brasileiro no último dia competiu numa hora em que o mar estava em transformação, com ondas inconsistentes de 4-5 pés não proporcionando mais do que três manobras. Os dois arriscaram os aéreos, mas o vento também não ajudava e com notas 7,00 e 6,70 o australiano Josh Kerr avançou para as semifinais por 13,70 a 10,77 pontos.

O confronto seguinte foi o clássico do domingo e no duelo dos campeões mundiais as ondas já começaram a melhorar, com Kelly Slater, sempre ele, surfando os primeiros tubos do domingo para derrotar Joel Parkinson por menos de um ponto no placar de 15,53 a 15,44 pontos. Parko ganharia a ponta do ranking se fosse finalista em Margaret River e Slater poderia empatar com Medina se ganhasse o campeonato. Mas, Michel Bourez garantiu a liderança isolada do brasileiro na onda incrível que surfou para derrotar Slater na semifinal por 16,14 a 15,90 com a maior nota do domingo, 9,37.

Josh Kerr amargou o segundo vice-campeonato seguido (Foto: Kelly Cestari / ASP)

Josh Kerr amargou o segundo vice-campeonato seguido (Foto: Kelly Cestari / ASP)

Nesta hora, as séries já entravam com 6-8 pés em Surfers Point e também por um placar apertado de 15,10 a 14,87 pontos, Josh Kerr tinha vencido a semifinal australiana com Bede Durbidge para fazer sua segunda decisão de título consecutiva no Drug Aware Margaret River Pro. No ano passado, a etapa era válida pelo ASP World Prime e ele perdeu para o havaiano Dusty Payne. Ele tentou usar sua arma mortal, mas não completou os aéreos e o “power surf” de Michel Bourez foi mais eficiente para vencer por 15,90 a 12,44 pontos com notas 8,33 e 7,57 nas duas melhores ondas surfadas na bateria.

“Foi uma bateria difícil, mas eu queria dar um show para toda essa torcida que veio a praia hoje ver o último dia do campeonato”, disse Josh Kerr. “Doeu no ano passado ter sido vice-campeão e dói ainda mais esse ano. Eu cometi alguns erros no início da bateria, não escolhi bem as ondas e é muito chato não surfar bem numa final, mas estou feliz pelo resultado. Este campeonato tem sido muito bom para mim, já venci aqui em 2010, essa é a segunda final seguida e estou feliz que temos um WCT agora aqui. Espero conseguir vencer no próximo ano”.

Além dos 10.000 pontos no ranking, o taitiano festejou a sua primeira vitória no ASP World Tour com o prêmio de 100 mil dólares, com Josh Kerr ficando com 40 mil dólares pelo vice-campeonato. Michel Bourez iniciou a caminhada para o título quando passou por Adriano de Souza na repescagem para as quartas de final na sexta-feira em The Box, pico de direitas tubulares que nunca tinha sido utilizado nas etapas da ASP em Margaret River. No domingo, o taitiano derrotou dois norte-americanos para chegar a sua terceira final no WCT, Nat Young nas quartas de final e Kelly Slater nas semifinais.

“Eu cometi um grande erro tático que foi fatal pra mim”, admitiu Kelly Slater, que nunca venceu um campeonato em Margaret River. “Eu estava na liderança da bateria desde o início até o fim quase, quando veio uma onda e eu tinha prioridade (de surfar), fui contra o meu instinto e peguei. Mas, a melhor onda veio depois e o Michel (Bourez) conseguiu a nota alta que precisava para vencer. Antes da bateria, já sabia que essa onda combina com seu estilo e ele mereceu passar pra final mesmo”.

 

FINAL DO DRUG AWARE MARGARET RIVER PRO:

Campeão: Michel Bourez (TAH) por 15,90 (notas 8,33 e 7,57) – US$ 100.000 e 10.000 pontos

Vice-campeão: Josh Kerr (AUS) com 12,44 pontos (7,37+5,07) – US$ 40.000 e 8.000 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com 6.500 pontos e US$ 20.000:

1.a: Josh Kerr (AUS) 15.10 x 14.87 Bede Durbidge (AUS)

2.a: Michel Bourez (TAH) 16.14 x 15.90 Kelly Slater (EUA)
 

TOP-22 NO RANKING DO SAMSUNG GALAXY ASP WORLD TOUR 2014 – 2 etapas:

1.o: Gabriel Medina (BRA) – 15.200 pontos

2.o: Joel Parkinson (AUS) – 13.200

3.o: Josh Kerr (AUS) – 12.000

4.o: Michel Bourez (TAH) – 11.750

5.o: Kelly Slater (EUA) – 11.700

6.o: Adriano de Souza (BRA) – 10.500

7.o: Nat Young (EUA) – 9.200

7.o: Miguel Pupo (BRA) – 9.200

9.o: Taj Burrow (AUS) – 8.250

10: Bede Durbdige (AUS) – 7.000

11: Mick Fanning (AUS) – 6.950

11: C. J. Hobgood (EUA) – 6.950

13: Jordy Smith (AFR) – 5.700

14: Filipe Toledo (BRA) – 4.500

14: Fredrick Patacchia (HAV) – 4.500

14: Mitch Crews (AUS) – 4.500

17: Julian Wilson (AUS) – 3.500

17: Adrian Buchan (AUS) – 3.500

17: Adam Melling (AUS) – 3.500

17: Kolohe Andino (EUA) – 3.500

17: Jadson André (BRA) – 3.500

QUARTA FEIRA 09 DE ABRIL 2014.
QUATRO BRASILEIROS AINDA SOBREVIVEM
NA AUSTRÁLIA.



A Força Aérea Brasileira entrou em ação no domingo atacando a costa ocidental da Austrália para conquistar quatro
vitórias na terceira fase do Drug Aware Margaret River Pro. O atual líder do ranking no Samsung Galaxy ASP World
Championship Tour 2014, Gabriel Medina, fez o segundo maior placar do dia - 16,44 pontos - e Adriano de Souza,
Miguel Pupo e Filipe Toledo, também liquidaram seus oponentes. Todos agora têm duas chances de classificação
para as quartas de final e o único piloto abatido foi Jadson André, derrotado pelo maior astro do esporte, Kelly Slater.
No domingo foi encerrada a etapa feminina e a havaiana Carissa Moore conquistou o bicampeonato em
Margaret River na reedição da final do ano passado com a australiana Tyler Wright.


As meninas abriram o domingo de boas ondas de 4-6 pés em Main Break com as mesmas semifinais
disputadas em 2013 no Drug Aware Margaret River Pro. Os resultados também foram iguais, com
Carissa Moore vingando a derrota sofrida nesta mesma fase para a pentacampeã mundia
l Stephanie Gilmore na etapa que abriu a temporada 2014 na Gold Coast e Tyler Wright ganhando
o duelo australiano com Sally Fitzgibbons. Na grande final, as duas surfistas pegaram boas ondas
e a havaiana foi um pouco melhor, computando notas 8,23 e 7,50 contra 8,00 e 6,10 da australiana
para festejar sua primeira vitória no ano por 15,73 a 14,10 pontos. Carissa Moore agora divide
a liderança do ranking com Stephanie Gilmore.


"A Tyler (Wright) estava surfando de forma incrível hoje (domingo) e ela é sempre uma forte concorrente",
destacou a atual campeã mundial Carissa Moore. "Eu acho que nós temos a mesma atitude de
querer ganhar campeonatos e eu estava muito confiante para esta bateria. A onda aqui em
Margaret River é muito difícil e a gente está sempre aprendendo como surfar ela, então estou
muito feliz por ter conseguido vencer aqui novamente. Eu amo este lugar e é muito bom estar
lá no topo do ranking de novo, junto com a Stephanie (Gilmore). Já estou ansiosa para ver
como vai ser o restante da temporada, que promete ser emocionante".


Entre as semifinais e a final feminina, foram realizadas as quatro primeiras baterias da terceira fase e
o paulista Miguel Pupo ganhou a última delas, batendo pela segunda vez o campeão mundial
C. J. Hobgood esse ano em Margaret River. A vitória foi por 11,34 a 9,67 pontos sobre o norte-americano.
Depois da primeira decisão de título do Drug Aware Pro 2014, Gabriel Medina entrou no mar para
defender a liderança do ranking e uma invencibilidade sobre o havaiano John John Florence nesta temporada.


A bateria foi adrenalizante, com ambos usando os aéreos para arrancar notas maiores dos juízes.
John John já havia sido derrotado por Medina na rodada inicial do Quiksilver Pro Gold Coast e
também em Margaret River, então tentou começar bem para quebrar o tabu, mas não conseguiu.
Quem largou na frente foi o brasileiro massacrando uma direita com manobras potentes de backside
para ganhar nota 7,67 e logo surfou outra que rendeu 5 pontos. Florence entrou na briga com uma
série de manobras numa boa onda finalizada com um aéreo para assumir a ponta com nota 8,50. Mas,
o brasileiro manteve a calma e confirmou sua terceira vitória sobre o havaiano com um
"aéreo-reverse full rotation" incrível, aterrisando com perfeição para ganhar nota 8,77
e fechar o placar em 16,44 a 14,00 pontos.


"Eu estava nervoso antes da bateria, porque é sempre difícil competir contra o
John John (Florence), que é um excelente surfista", disse Gabriel Medina. "Nós já
disputamos várias baterias e somos realmente muito competitivos. Eu apenas tento
me concentrar no meu próprio jogo para fazer o melhor que posso nas ondas, mas
é ótimo competir contra alguém como o John John, porque nós ficamos empurrando
os limites um do outro, então é sempre emocionante enfrentá-lo".


Os 16,44 pontos de Gabriel Medina só foram ultrapassados pelo australiano Yadin Nicol, que
acertou um aéreo rodando sensacional para derrotar o atual campeão mundial Mick Fanning
por 16,94 pontos com a nota 9,77 recebida nessa onda, a maior do dia. Os dois recordistas do
domingo vão disputar a primeira rodada classificatória para as quartas de final com Miguel Pupo
na segunda bateria. Nesta quarta fase, os vencedores passam direto, mas os perdedores
têm uma segunda e última chance nos duelos homem a homem da repescagem.


Diferente de Mick Fanning, Kelly Slater confirmou o favoritismo contra o potiguar Jadson André
na reedição da final da única vitória do brasileiro no ASP World Tour, em 2010 no Billabong
Santa Catarina Pro em Imbituba. Foi uma bateria de poucas ondas boas, com o maior astro
do esporte levando a melhor por 12,56 a 10,47 pontos nas duas notas computadas. Jadson
está retornando ao grupo dos top-34 da ASP esse ano e pela segunda vez foi barrado na
terceira fase, ficando em 13.o lugar com 1.750 pontos como na Gold Coast.


DOMINGO 06 DE ABRIL 2014.

HAVAIANA PASSEIA NA AUSTRÁLIA 
E CONFIRMA O BI.



Carissa Moore conquistando o bicampeonato em M-River (Foto: Kirstin Scholtz / ASP)

Nesse domingo foi encerrada a etapa feminina e a havaiana Carissa Moore conquistou o bicampeonato em Margare
t River na reedição da final do ano passado com a australiana Tyler Wright.

As meninas abriram o domingo de boas ondas de 4-6 pés em Main Break com as mesmas semifinais de 2013 no Drug Aware Margaret River Pro. Os resultados também foram iguais, com Carissa Moore vingando a derrota sofrida nesta mesma fase para a pentacampeã mundial Stephanie Gilmore na etapa que abriu a temporada 2014 na Gold Coast e Tyler Wright ganhando o duelo australiano com Sally Fitzgibbons. Na grande final, as duas pegaram boas ondas e a havaiana foi um pouco melhor, computando notas 8,23 e 7,50 contra 8,00 e 6,10 da australiana para festejar sua primeira vitória no ano por 15,73 a 14,10 pontos. Carissa Moore agora divide a liderança do ranking com Stephanie Gilmore.

“A Tyler (Wright) estava surfando de forma incrível hoje (domingo) e ela é sempre uma forte concorrente”, destacou a atual campeã mundial Carissa Moore. “Eu acho que nós temos a mesma atitude de querer ganhar campeonatos e eu estava muito confiante para esta bateria. A onda aqui em Margaret River é muito difícil e a gente está sempre aprendendo como surfar ela, então estou muito feliz por ter conseguido vencer aqui novamente. Eu amo este lugar e é muito bom estar lá no topo do ranking de novo, junto com a Stephanie (Gilmore). Já estou ansiosa para ver como vai ser o restante da temporada, que promete ser emocionante”.

FINAL FEMININA DO DRUG AWARE MARGARET RIVER PRO:

Campeã: Carissa Moore (HAV) por 15,73 (notas 8.23+7.50) – 10.000 pontos

Vice-campeã: Tyler Wright (AUS) com 14,10 pontos (8.00+6.10) – 8.000 pontos

SEMIFINAIS FEMININAS – 3.o lugar – 6.500 pontos:

1.a: Stephanie Gilmore (AUS) 15.83 x 12.67 Carissa Moore (HAV)

2.a: Tyler Wright (AUS) 13.83 x 9.16 Sally Fitzgibbons (AUS)

TOP-10 DO RANKING DO ASP WOMEN´S TOUR 2014 – 2 etapas:

1.a: Carissa Moore (HAV) – 16.500 pontos

1.a: Stephanie Gilmore (AUS) – 16.500

3.a: Tyler Wright (AUS) – 13.200

3.a: Bianca Buitendag (AFR) – 13.200

5.a: Sally Fitzgibbons (AUS) – 11.700

6.a: Courtney Conlogue (EUA) – 10.400

6.a: Malia Manuel (HAV) – 10.400

8.a: Lakey Peterson (EUA) – 8.250

9.a: Paige Hareb (NZL) – 8.000

9.a: Dimity Stoyle (AUS) – 8.000


SEXTA FEIRA 04 DE ABRIL 2014
SHOW DE IMAGENS DO 
BRASILEIRO MASTER EM NORONHA
.


WENDALL DA MARANDS COM FÁBIO GOUVEIA.

Veja galeria de fotos do evento inédito que aconteceu em Fernando de Noronha, a segunda etapa do Circuito Brasileiro
Master que reuniu os grandes nomes do esporte no Brasil.

CLIQUE AQUI E VEJA AS FOTOS.


DOMINGO 30 DE MARÇO 2014
PEDRO LIMA VENCE O QUARTO
EVENTO MASTER SEGUIDO, SENDO 03 BRASILEIROS.



Atleta chega a sua quarta vitória em eventos Master, sendo 03 brasileiros, dessa vez foi aqui em Noronha. Parabéns Delegado.
Quem também deu show foi o baiano Jojó de Olivença que venceu duas finais e fez história na Ilha.


o pernambucano Pedro Lima manteve a invencibilidade nas duas primeiras etapas do Circuito Master da CBS em 2014. Ele estava em último na bateria, mas pegou uma boa onda e saltou para o segundo lugar na disputa toda liderada por Fabricio Junior. Só que o potiguar foi brigar por uma onda no minuto final e cometeu uma interferência, recebendo como penalidade computar uma nota com apenas metade da outra. Com isso, caiu para terceiro lugar e Pedro Lima festejou sua quarta vitória consecutiva na categoria Master, pois não perdeu nenhuma etapa que disputou desde o ano passado.

"Estou amarradão pela vitória, depois daquela interferência ali do Fabrício (Junior), porque eu já estava colado nele em segundo lugar", disse Pedro Lima. "Eu estou muito feliz por fazer mais uma final e ganhar de novo para manter o primeiro lugar no ranking com duas vitórias. Agora estou praticamente dentro do time que vai disputar o Mundial Master da ISA e vou continuar treinando bastante para representar bem o Brasil lá. As ondas estavam muito difíceis hoje (domingo), mas consegui achar algumas que renderam algumas manobras para eu poder sair daqui com mais um troféu de campeão".

O baiano Jojó de Olivença foi o grande destaque do Marands Brasileiro de Surf Master que fechou a segunda edição do Noronha Surf Festival no arquipélago pernambucano de Fernando de Noronha. Ele foi o supercampeão do domingo de ondas de 3-4 pés na Cacimba do Padre, faturando o título em duas categorias, Grand Master e Kahuna, além de vencer a bateria especial com a participação do ator Paulo Vilhena. Na categoria Master, o pernambucano Pedro Lima manteve a invencibilidade no Circuito da Confederação Brasileira de Surf (CBS) e na Grand Kahuna a vitória foi do bicampeão brasileiro da categoria, o catarinense Mickey Hoffman.

O domingo foi de chuva e céu carregado de nuvens em Fernando de Noronha, portanto de ondas pequenas, já que a Cacimba do Padre só funciona mesmo quando tem Sol. Diferente dos outros três dias de competições no Marands apresenta Noronha Surf Festival, no domingo o baiano Jojó de Olivença teve que mostrar a força do seu backside nas esquerdas do canto do Morro Dois Irmãos. Até então, ele só havia surfado as direitas do meio da praia, mas deu um show também nas esquerdas faturando dois títulos sem sair do mar. 
RESULTADOS DO DOMINGO NO MARANDS BRASILEIRO MASTER DE SURF:

CATEGORIA MASTER - surfistas com 35 anos ou mais de idade:
Campeão: Pedro Lima (PE) - 1.000 pontos
Vice-campeão: Rogerio Dantas (CE) - 900
Terceiro lugar: Fabricio Junior (RN) - 810
Quarto lugar: Marcelo Alves (BA) - 729

CATEGORIA GRAND MASTER - surfistas com 40 anos ou mais:
Campeão: Jojó de Olivença (BA) - 1.000 pontos
Vice-campeão: Fabio Gouveia (PB) - 900
Terceiro lugar: Caia de Souza (FN) - 810
Quarto lugar: Roni Ronaldo (SC) - 729

CATEGORIA KAHUNA - surfistas com 45 anos ou mais:
Campeão: Jojó de Olivença (BA) - 1.000 pontos
Vice-campeão: Claudio Marroquim (PE) - 900
Terceiro lugar: Armando Maciel (SC) - 810
Quarto lugar: Cardoso Junior (CE) - 729

CATEGORIA GRAND KAHUNA - surfistas com 50 anos ou mais:
Campeão: Mickey Hoffman (SC) - 1.000 pontos
Vice-campeão: Fernando Neguinho (RN) - 900
Terceiro lugar: Lucio Costa (BA) - 810
Quarto lugar: Dedé Cabral (RN) - 729

SEXTA FEIRA 28 DE MARÇO 2014

PATRICK TAMBERG VENCE EM CASA 

A PRIMEIRA ETAPA DO PERNAMBUCANO 2014.


O Local de Noronha 
Patrick Tamberg Tamberg venceu a etapa inicial do Pernambucano 2014 no quintal de casa. Na entrega da premiação presença dos atores Paulinho Vilhena e Eri Johnsson na Cacimba do Padre.

Os noronhenses fizeram a festa no Marands Pernambucano de Surf com duas vitórias nas sete categorias da etapa de abertura do Circuito Estadual de Pernambuco encerrada na sexta-feira em Fernando de Noronha. Patrick Tamberg faturou o principal título em disputa, largando na frente do ranking pernambucano e do Circuito Nordestino de Surf Profissional. O outro nativo do arquipélago que levantou o troféu de campeão foi Brayner Alves na categoria Mirim. Quem também se destacou na sexta-feira foi o pernambucano Reginaldo Nascimento, que venceu a Open com pranchinha e a Longboard com o pranchão. Na Junior, a vitória foi do pernambucano Ivan Silva, o paraibano Saulo Carvalho ganhou a Senior e o baiano Jojó de Olivença conquistou o título Master na onda que surfou nos últimos segundos da bateria.

Depois de dois dias de Marands Pernambucano de Surf, no sábado e domingo a Cacimba do Padre ficará reservada para os grandes ídolos do passado, como o próprio Jojó de Olivença, que vão participar do Marands Brasileiro de Surf Master. As quatro categorias do evento válido como segunda etapa do Circuito Master da Confederação Brasileira de Surf (CBS), já esgotaram o limite de inscrições e precisou ser criada uma lista de espera para caso apareça alguma vaga. A primeira chamada para o início da competição que fecha a segunda edição do Noronha Surf Festival apresentado pela Marands, foi marcada para as 8h00 do sábado na Cacimba do Padre.

O último dia do Marands Pernambucano de Surf também era para ser iniciado às 8h00, mas a sexta-feira amanheceu com muita chuva em Fernando de Noronha e sem ondas na Cacimba do Padre. As condições só melhoraram um pouco para começar a competição às 10h00, com as finais sendo encerradas por volta das 17h00. A primeira decisão a entrar no mar foi a da categoria profissional com dois surfistas de Fernando de Noronha contra dois de Pernambuco. Patrick Tamberg foi preciso na escolha das ondas, só surfou duas que renderam dois bons tubos notas 6,67 e 6,43 para faturar o prêmio máximo de 3.000 Reais por 13,10 pontos.

"Eu passei o dia inteiro aqui na praia olhando o mar e me posicionei ali no canto para pegar os tubos nas esquerdas. Eu estava muito confiante e sabia que se viesse a onda eu ia fazer o tubo, então estou feliz que elas vieram e eu consegui conquistar essa vitória que busco há muito tempo", disse Patrick Tamberg. "O Buday (Santos) também pegou os tubos ali e Noronha está de parabéns, com dois atletas na final da Profissional. Pena que o Halley (Batista) virou no finalzinho e não deu uma dobradinha noronhense, mas estou muito feliz pela vitória".

A dobradinha noronhense no alto do pódio só não aconteceu porque o pernambucano Halley Batista pegou uma onda no minuto final e acertou um aéreo para deixar um suspense na praia. Ele precisava de 7,43 pontos para vencer e recebeu nota 6,57 que deu apenas para tirar o vice-campeonato de Buday Santos. O noronhense tinha surfado bons tubos também, mas acabou terminando em terceiro lugar, com o big-rider pernambucano Alexandre Ferraz ficando em quarto. Mesmo assim, a torcida fez a festa com a vitória inédita de Patrick Tamberg no Circuito Pernambucano de Surf.

RESULTADOS DAS FINAIS DO MARANDS PERNAMBUCANO DE SURF:

CATEGORIA PROFISSIONAL:
1.o: Patrick Tamberg (FN) - 1.000 pontos
2.o: Halley Batista (PE) - 860
3.o: Buday Santos (FN) - 730
4.o: Alexandre Ferraz (PE) - 670

CATEGORIA AMADOR OPEN:
1.o: Reginaldo Nascimento (PE) - 1.000 pontos
2.o: Ivan Silva (PE) - 910
3.o: Arthur Vilar (PB) - 830
4.o: Nego Noronha (FN) - 729

CATEGORIA AMADOR JUNIOR:
1.o: Ivan Silva (PE) - 1.000 pontos
2.o: André Labanca (PE) - 910
3.o: Lucas Rodrigues (PE) - 830
4.o: Felipe Justus (RN) - 729

CATEGORIA AMADOR MIRIM:
1.o: Brayner Alves (FN) - 1.000 pontos
2.o: Netinho Silva (FN) - 910
3.o: Douglas Souza (FN) - 830
4.o: Valderez dos Santos (FN) - 729

CATEGORIA AMADOR SENIOR:
1.o: Saulo Carvalho (PB) - 1.000 pontos
2.o: Mauricio Bandeira (PE) - 910
3.o: Fred Vilela (AL) - 830
4.o: Hector Correa (RJ) - 729

CATEGORIA AMADOR MASTER:
1.o: Jojó de Olivença (BA) - 1.000 pontos
2.o: Arthur Gama (RJ) - 910
3.o: Saulo Carvalho (PB) - 830
4.o: Marcos Monteiro (RJ) - 729

CATEGORIA LONGBOARD:
1.o: Reginaldo Nascimento (PE) - 1.000 pontos
2.o: Rafael Cavalcanti (PE) - 910
3.o: Marcelo Bibita (CE) - 830






 ESSE SITE É MELHOR VISUALIZADO NO NAVEGADOR EXPLORER